O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Organizações católicas denunciam êxodo "sem precedentes" na Venezuela

07 ago, 2017 - 20:29 • Com Agência Ecclesia

Conferência Episcopal Venezuelana diz que a nova Assembleia Constituinte é uma fraude.
A+ / A-

A rede de organizações católicas da América Latina e Caraíbas para as Migrações e Refugiados denuncia um êxodo “sem precedentes” da população venezuelana para países vizinhos.

A CLAMOR - Rede Latino-Americana e Caribenha para as Migrações, Refugiados e Tráfico de Pessoas, alerta para a “dura situação” que os emigrantes da Venezuela têm de enfrentar, ao fugir de uma “crise humana”.

As organizações católicas da região alertam para a falta de medicamentos e alimentos, ao “colapso dos serviços públicos”, à inflação, violência e “graves violações dos direitos humanos”.

“Esta situação, que atenta contra a vida e a dignidade dos venezuelanos e venezuelanas, forçou milhares de pessoas a sair do país, numa diáspora sem precedentes na história democrática do país”, refere a nota da rede católica.

Entre três e quatro mil emigrantes portugueses já regressaram à Madeira.

O padre Francesco Bortignon, scalabriniano, pároco em Cúcuta, no norte da Colômbia, refere à Rádio Vaticano que a situação da fronteira é “realmente difícil”.

“Existe uma fuga significativa de venezuelanos em direcção à Colômbia ou com o sonho de chegar ao Equador, Chile e Peru”, especialmente nos últimos meses, ligadas em particular à questão da eleição da Assembleia Constituinte.

Já a Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) agradeceu a posição tomada pelo Papa e a Santa Sé na última sexta-feira, num renovado apelo ao respeito pelos Direitos Humanos e pela suspensão da nova Constituinte.

D. José Luis Azuaje, vice-presidente da CEV, considerou que a Assembleia Constituinte, promovida pelo Governo de Nicolás Maduro e contestada pela oposição, foi uma “fraude”.

A Venezuela atravessa uma crise política e económica, com manifestações pró e anti-Maduro, que provocaram 120 mortos desde Abril.

O presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que a Assembleia Constituinte traduz “um poder paralelo”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vado Ribas
    08 ago, 2017 Genève 12:07
    Dá bem para ver que há por aqui comunistas bravos defensores das sagradas ditaduras stalinistas, fidelistas, chavistas etcteristas, estão bem activos na defesa do sr. Maduro e dos seus acólitos de braços no ar enquanto o povo venezuelano luta pela sua liberdade... e do direito de não passar fome. Pobre democracia !...
  • Filipe
    07 ago, 2017 évora 22:10
    No entanto o governo Português não reconhece o governo da Venezuela , tudo bem , se fosse o Maduro agora acabava de vez com os negócios com Portugal e extraditava todos os Portugueses para o lugar de onde vieram , rua !
  • Miguel Botelho
    07 ago, 2017 Lisboa 21:58
    E a campanha continua... Segundo a Renascença que todos os dias tem uma notícia para dar sobre a Venezuela, há um êxodo de venezuelanos para a Colômbia. Não explica o outro êxodo existente (de mexicanos e colombianos para a Venezuela, devido às situações políticas destes dois países). De facto, estas notícias são sensacionais, mesmo quando são cortadas momentaneamente por muito futebol e assuntos domésticos de trazer por casa.
  • joao123
    07 ago, 2017 lisboa 21:49
    Ver , como deu no telejornal, votações na nova assembleia da Venezuela com braço no ar até dá dó. Parece que voltaram ao Stalinismo , quem não levantar o braço tá com elas...linda democracia...