O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Pais de Charlie Gard anunciam a morte do seu bebé de 11 meses

28 jul, 2017 - 18:20

A batalha legal sobre o tratamento médico de Charlie cativou o mundo e chegou a envolver o Papa e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
A+ / A-

O bebé de 11 meses Charlie Gard morreu esta sexta-feira. A morte da criança foi anunciada por um porta voz da família, segundo a BBC.

"O nosso lindo menino partiu. Estamos muito orgulhos do nosso Charlie", disse a mãe, Connie Yates, citada pela imprensa britânica.

O Hospital de Great Ormond Street enviou as suas "sentidas condolências" à família de Charlie Gard, "neste momento muito triste".

Através da rede social Twitter, o Papa Francisco também manifestou o seu pesar público pela morte do bebé.

A criança de 11 meses esteve no centro de uma batalha legal que captou as atenções do mundo ao longo das últimas semanas, entre o hospital de Great Ormond Street, onde está a receber tratamento, e os seus pais.

Charlie sofria de uma condição médica muito rara que lhe afectava os músculos e o cérebro. Sem hipótese de cura, o hospital decidiu que o melhor para ele seria desligar o suporte artificial que o mantinha vivo e passar a administrar cuidados paliativos, mas os pais discordaram e tentaram levar o bebé para os EUA, para fazer um tratamento experimental.

No Reino Unido, quando pais e médicos discordam sobre o que é melhor para um menor o caso pode ser decidido por um tribunal. Sucessivos juízes deram razão ao hospital.

O caso apaixonou a opinião pública e chegou a motivar comentários de Donald Trump, que se ofereceu para ajudar como fosse preciso, e o Papa Francisco pediu que fossem respeitados os desejos dos pais.

Recentemente voltou a surgir a hipótese de administrar um tratamento inovador, que poderia ajudar Charlie a recuperar algumas funções, mas os pais desistiram da ideia quando perceberam que o seu estado de saúde já se tinha deteriorado a tal ponto que não haveria possibilidade de sucesso. Na altura lamentaram que o tempo passado nos tribunais tenha roubado ao seu filho a única hipótese que tinha.

Os pais aceitaram assim que fosse desligado o suporte artificial que ajudava Charlie a respirar, mas pediram para o levar para casa para passar os últimos dias. O hospital negou, porém, dizendo que não seria possível devido à complexidade dos tratamentos necessários. Outra hipótese avançada pelos pais seria levar o bebé para um hospício onde os tratamentos pudessem ser administrados durante alguns dias.

Na quarta-feira o juiz deu até quinta-feira ao meio-dia para que o hospital e o casal chegassem a um acordo, mas tal não foi possível, levando o tribunal a decretar que Charlie deve então ser transferido para um hospício, onde o suporte de vida seria desligado e morreria. Ao que tudo indica foi isso que se passou esta sexta-feira.

Uma porta-voz do hospital lamentou na quinta-feira a dimensão a que chegou o caso, reconhecendo que os pais de Charlie tinham agido com a melhor das intenções. “Os pais de Charlie têm defendido incansavelmente aquilo que acreditam sinceramente ser o melhor para o seu filho, e ninguém os pode culpar por isso”.

A porta-voz do Great Ormond Street disse que o hospital “tentou fazer todos os possíveis para acomodar a vontade dos pais” e lamenta profundamente “que as diferenças sinceras de opinião entre os médicos e os pais de Charlie tenham tido que ser resolvidos em tribunal durante tanto tempo”.

[notícia actualizada às 20h47]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • jose pestana
    28 jul, 2017 Funchal Madeira 23:51
    paz a sua alma condolencias as pais
  • Graça Diogo
    28 jul, 2017 Lisboa 23:27
    Paz à sua alma! Infelizmente uma triste notícia. Os pêsames à sua FAMÍLIA e amigos!
  • 28 jul, 2017 22:55
    Envio as sentidas condolências aos pais "lutadores" e seus familiares, ao pequeno Charlie Gard desejo que DEUS o recolha na sua misericórdia e lhe dê a paz eterna, porque sofredor e lutador já ele foi durante 11 longos meses. PAZ À SUA ALMA.
  • Manuel
    28 jul, 2017 Algarve 22:33
    Mais uma estrelinha no céu. Sem dúvida estará muito melhor agora, em paz, sem mais sofrimento. Aos corajosos pais, bem hajam por todo o amor que deram ao vosso filho, nesta sua curtíssima passagem entre nós. Forte abraço para os dois, Manuel
  • M.Amelia Silva Pinto
    28 jul, 2017 Lisboa 20:59
    Um anjo da humanidade e das familias protector do Direito à Vida.
  • Gloria De Matos
    28 jul, 2017 Africa do Sul 20:09
    Tenho 4 filhos e esta notícia abalou-me profundamente. Sinto que os Pais tinham o direito de levar o bebé para casa. Porque lhes foi roubado esse direito? Porque perderam tanto tempo em tribunais para que fosse decidida a sua sentença? Falta de senso e sensibilidade... Não tenho palavras para atenuar a dor destes pais. O meu maior sonho seria o de um mundo com mais compaixao e amor ao próximo. Embora diferentes, somos todos iguais, temos todos as mesmas necessidades basicas e direito à felicidade. Sentidas condolencias aos Pais desta crianca e que consigam um dia voltar a sorrir novamente, sem magoas e dor, mas com saudades e alegria de saber que fizeram tudo por ele.
  • Bruno
    28 jul, 2017 algarve 19:19
    Muito triste notícia ...
  • Portugues
    28 jul, 2017 Porto 18:37
    Quero expressar os meus sentimentos de um simples português aos pais da criança falecida. Que a paz esteja com ele e que a FORÇA esteja com os pais.