O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Mick Jagger lança músicas de sátira sobre o Brexit e a Trump

28 jul, 2017 - 16:09

“England Lost” e “Gotta Get a Grip” são os nomes dos novos temas do astro dos Rolling Stones. Há uma referência a Lisboa numa das músicas.
A+ / A-

Mick Jagger lançou duas músicas, em registo jocoso, que dão a sua visão sobre a incerteza que está a invadir a política mundial, na era do Brexit e da presidência de Donald Trump.

Uma das músicas, “England Lost” (“Inglaterra Perdeu”), faz troça da saída do Reino Unido da União Europeia. A segunda música, “Gotta Get a Grip” (“Temos de ganhar noção”, numa tradução livre), descreve um mundo “virado de pernas para o ar”, cheio de “lunáticos e palhaços.”

Mick Jagger, com 74 anos, disse no Facebook que começou a escrever as músicas há algumas semanas. Estes são os primeiros projectos a solo do músico, desde 2011.

Na letra de “England Lost”, o músico usa a metáfora de um adepto de futebol que assiste à derrota da selecção inglesa. “Fui ver a Inglaterra, mas a Inglaterra perdeu/ Todos disseram que fomos enganados (…) Não foi muito divertido estar ali à chuva/ Todos gritávamos e refilávamos/ Não foi um grande jogo (…) Fui à procura de Inglaterra, mas não estava lá”.

A letra continua: “Tinha uma namorada em Lisboa, tinha uma namorada em Roma/ Agora vou ter de ficar em casa”.

Na segunda música, o artista critica algumas figuras da sociedade: “Ninguém diz a verdade” e as “as notícias são falsas”. A letra fala ainda das “mentiras e escândalos, guerras e vândalos/ Burlas com metadados e farsas policiais”.

Mick Jagger diz que a motivação para escrever as músicas vem da “ansiedade e incerteza da situação política em mudança”. “Estou optimista em relação à política? Não”, afirma o músico.

Os Rolling Stones formaram-se em Londres, em 1962, e são considerados uma das bandas mais influentes no “rock and roll”, tendo lançado 20 álbuns.

Mick Jagger é natural do Reino Unido e tem o título de “Sir”, concedido pela rainha, em 2002, atribuindo-lhe as honras de Cavaleiro da Ordem do Império Britânico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.