|
A+ / A-

Enfermeiros só suspendem protesto se houver compromisso escrito do Governo

24 jul, 2017 - 13:28

Os profissionais especialistas em saúde materna e obstétrica reúnem-se com o ministério da Saúde esta segunda-feira. A paralisação começou no dia 3 de Julho.

A+ / A-

Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica só suspendem o protesto que têm em curso se houver um compromisso escrito por parte do Governo. Os profissionais querem que seja reconhecida a especialidade e que o pagamento dos serviços especializados seja valorizado.

“Precisamos de ver materializado um compromisso para avaliar a hipótese de suspensão do protesto”, afirma Bruno Reis, porta-voz do movimento que representa os enfermeiros especialistas.

A Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermagem reúne esta segunda-feira com o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

“Esperamos que desta reunião possa sair um memorando óbvio e claro, em que os enfermeiros possam ter a sua categoria numa carreira e sejam reconhecidos quer na categoria, quer na valorização salarial”, reforça.

A greve dos enfermeiros especialistas já levou a constrangimentos nos blocos de parto e na assistência a grávidas. mas “em nenhuma das situações houve dano, dolo ou lesão para qualquer cidadão”, garante Bruno Reis.

A Procuradoria-Geral da República emitiu um parecer, divulgado no dia 20 de Julho, onde diz que “a recusa de prestação de serviço dos enfermeiros com título de especialista não é enquadrável numa greve”, embora reconheça que os profissionais têm legitimidade para defender os seus interesses.

Se mantiverem a paralisação, os enfermeiros podem vir a ser responsabilizados civil e disciplinarmente, e incorrer em faltas injustificadas.

Para o porta-voz dos enfermeiros especialistas, o parecer da Procuradoria-Geral da República “não é suficiente para fazer uma suspensão” do protesto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.