|
A+ / A-

Em nome do ambiente e limpeza, movimento quer taxar copos de plástico

21 jul, 2017 - 08:47

A medida permitiria financiar o esforço público de limpeza urbana, reforçar a intensidade nos locais onde se regista grande produção e abandono de copos de plástico na via pública e aumentar a fiscalização e a reciclagem.

A+ / A-

Depois dos sacos, a ideia é taxar a utilização de copos, pratos e talheres de plástico. A ideia é do Fórum Cidadania LX que, com o dinheiro obtido, quer financiar a limpeza urbana.

A taxa sobre os sacos de plástico “mostrou-se muito eficaz na redução do consumo, em Portugal e noutros países europeus (por exemplo na Irlanda passou-se de uma média de 328 sacos/pessoa/ano para apenas 14), pelo que a introdução da taxa sobre os copos de plástico permitiria contribuir para o fim, por exemplo, do ‘espectáculo’ diário de jardins e espaços públicos repletos com copos de plástico”, considera o movimento.

Para este movimento, tal taxa permitiria financiar o esforço público de limpeza urbana, reforçar a intensidade nos locais onde se regista grande produção e abandono de copos de plástico na via pública e aumentar a fiscalização e a reciclagem de plástico de forma a alcançar as metas da reciclagem para 2020 (50% em vez dos actuais 29%).

“Com efeito, estes copos descartáveis de plástico, distribuídos a título gratuito pelas várias cervejeiras aos estabelecimentos comerciais, fazem multiplicar a quantidade de resíduos urbanos, pelo que uma taxa sobre os mesmos criará condições para o regresso aos copos de vidro de plástico mais duradouro e com depósito/desconto em devolução”, acrescenta.

O Fórum Cidadania LX dá como exemplo a Escócia e a Austrália, onde este sistema de taxas já é aplicado “com apreciável grau de sucesso” e diz que no Reino Unido as autoridades também estão a analisar a possibilidade de o criar.

“A introdução desta taxa poderia ser acompanhada pela proibição, inclusive, da entrega destes copos em locais (espaço público) e junto a locais considerados sensíveis e facilmente sujeitos a excesso de carga, como sejam miradouros e quiosques”, sugere o Cidadania LX, sublinhando que a imposição ou discriminação positiva dos copos reutilizáveis já é uma realidade nos festivais de música.

Na semana passada, no Parlamento, o ministro do Ambiente manifestou-se preocupado com o cumprimento das metas de reciclagem para 2020.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 21 jul, 2017 aldeia 17:10
    Que hipocrisia.....acabem com os copos de plástico,com os sacos de plástico etc etc........a bem do ambiente. e não a bem de interesses,taxas e taxinhas,já chega.
  • Alberto
    21 jul, 2017 Funchal 14:13
    Deviam taxar também os cheiros nauseabundos que, por vezes, saem dos intestinos!!
  • No país da diversão
    21 jul, 2017 Lisboa 11:43
    No país da diversão vale quase tudo para desviar a atenção do essencial e manipular as pessoas. Eu esperava é que em nome da dignidade da pessoa humana nos alertassem para problemas reais como violação de direitos humanos, falta de confiança nas instituições que usam uma máscara para nos iludir e são fortes com os fracos, abusos dos poderes, censura na imprensa Fico admirado com o progresso civilizacional deste país do faz-de-conta! Estas diversões para manipular as pessoas vão sempre existir pois interessam ao poder e à comunicação social que está sempre pronta a publicar, mas censura o mais importante. Mas os que estão distraídos com futebol e outras coisas, não compreendem isto!
  • Jose Antonio
    21 jul, 2017 Barreiro 11:26
    Ha pessoas que gostam mesmo de sofrer ao insinuarem, não sei em nome de quem, que se devem criar mais taxas e taxinhas. Devem ser todos socialistas.
  • LUÍS
    21 jul, 2017 ALCANENA 10:11
    É SÓ PAGAR , PAGAR, PAGAR. e TUDO EM NOME DO AMBIEMTE. DESCULPAS PARA TIRAR DINHEIRO ÀS PESSOAS.
  • Joao
    21 jul, 2017 Lisboa 10:03
    Podem taxar todo o plástico e quem paga? O povinho, claro. Quem veio com o plástico? Qual era o mal do vidro que dava muito sabor a tudo?
  • José Ferreira
    21 jul, 2017 sintra 10:02
    Não seria mais rentável e higiénico, taxar 1º a Estupidez em geral, depois a inutilidade e incompetência das policias municipais, a ignorância e inutilidade de alguns cargos políticos, e já agora também os grupelhos de defesa disto daquilo e daquele outro que passam a vida em diarreias cerebrais umas atrás das outras á espera de viverem á custa de alguém. Recordo me muito bem do vamos limpar Portugal, as pessoas aderiram, fartaram-se de limpar a trampa que os outros fizeram, e agora está tudo na mesma, porquê? porque a policia municipal não está para se ralar e ver quem anda a despejar entulhos e peças de carros usadas, pneus etc dá muito trabalho.
  • Luis
    21 jul, 2017 Seixal 10:01
    Acima de tudo é preciso cidadania, gente civilizadas e Autarquias que façam alguma coisa pela limpeza urbana. Os Municípios do Seixal e de Sesimbra devem ser os mais porcos de Portugal. O amontoado de lixo juntos dos contentores é muito frequente,é habitual.Viagem pela estrada de Fernão Ferro e vejam a cultura do lixo destas duas autarquias.A verdade é que existem muitas autarquias em Portugal que são autênticos paraísos, Seixal e Sesimbra é lixo.
  • leo
    21 jul, 2017 ilheu 09:54
    Igualmente devia ser tomada a mesma medida em relação ao tabaco. O que mais se vê nas uas e passeios são beatas e cxs de pacotes de cigarros vazias.
  • No país da diversão
    21 jul, 2017 Lisboa 09:39
    No país da diversão vale quase tudo para desviar a atenção do essencial e manipular as pessoas. Eu esperava é que em nome da dignidade da pessoa humana nos alertassem para problemas reais como falta de confiança nas instituições que usam uma máscara para nos iludir e são fortes com os fracos, abusos dos poderes, censura na imprensa Fico admirado com o progresso civilizacional deste país do faz-de-conta! Estas diversões para manipular as pessoas vão sempre existir pois interessam ao poder e à comunicação social que está sempre pronta a publicar, mas censura o mais importante. Mas os que estão distraídos com futebol e outras coisas, não compreendem isto!