|
A+ / A-

​Criança espanhola processa mãe por ter levado um estalo

20 jul, 2017 - 07:23

Ministério Público pedia que a mulher fosse condenada a 35 dias de trabalho comunitário e que lhe fosse negado o direito de comunicar com o filho durante seis meses.

A+ / A-

Uma criança de 11 anos processou a mãe por esta lhe ter dado um estalo. O caso aconteceu em Espanha.

De acordo com o jornal “El Mundo”, a mulher respondeu em tribunal por ter dado um estalo ao filho quando este lhe atirou o telemóvel depois de se ter recusado a preparar o pequeno-almoço.

A criança justificou esta atitude dizendo que “estava a ouvir música no seu novo telemóvel topo de gama” e que não queria ser incomodado.

Este não terá sido, no entanto, o único incidente objecto de análise no processo. A criança alegou ter sofrido abusos anteriores por parte da mãe, indicando que chegou a necessitar de tratamento médico em algumas situações. O Ministério Público pedia, assim, que a mãe fosse condenada a 35 dias de trabalho comunitário e que lhe fosse negado o direito de comunicar com o filho durante seis meses.

O menor perdeu o caso. O tribunal da Corunha entendeu que o acto foi “justificado”.

O juiz considerou que “os actos foram pontuais e devido a provocação por parte do menor”. O magistrado entendeu que a atitude da criança deve ser seguida por especialistas pois necessita de “correcção imediata”, uma vez que aparenta sinais de “síndrome de imperador”, isto é, resiste às ordens dos pais ou de terceiros, podendo adoptar comportamentos violentos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ana Alves
    23 jul, 2017 Oeiras 14:32
    Aqui em Lisboa, num supermercado, há um ano, presenciei esta cena: um rapazelho de seis anos dava pontapés como um psicopata numa menina pouco mais velha e alta que ele. Não sei o que ela lhe fez ou não fez mas ele parecia possuído; ela só lhe gritava "pára, pára!". A mãe dele assistia a tudo e só dizia "está quieto", decerto que tinha medo de estragar as unhas de gel se lhe pegasse por um braço. No mesmo supermercado, trinta anos antes, uma criança limitou-se a fazer uma birra e a mãe, que andava de canadianas, levantou uma delas e deu com toda a força nas costas da criança por causa da birra. Noutro caso, também há uns largos tempos, uma menina de oito anos apanhou uma molha de chuva ao ir comprar pão porque a mãe não queria sair da cama por estar a chover. A mãe não faz mais nada: dá tanta porrada na rapariga que esta vai parar ao hospital com um braço partido. Em suma, passámos do oito ao oitenta, e assim como há pais que são demasiado violentos e dão sovas à mínima desculpa, também há pais que apenas tiveram os filhos para receber abono de família e não fazem a obrigação deles, que é educá-los para não se tornarem delinquentes. Quanto ao muchacho, imperador só se for em casa dele e quando ganhar para isso, que procure alguém que o sustente já que a mãezinha é assim tão má...
  • Vasco
    20 jul, 2017 23:20
    O que essa criança necessita é de facto de uma casa de correcção, quanto à mãe se tiver coragem de a abandonar de vez não me impressiona porque chegamos a um ponto onde tudo ou quase é permitido a um menor retirando aos educadores o direito à autoridade sobre eles, isto é mais uma machadada na procriação, desmotiva muita gente certamente, o ser humano caiu na decadência e teimam em caminhar nesse sentido.
  • Grande Juiz
    20 jul, 2017 portugal 21:15
    ESTA MÃE, MERECE QUE DEUS caso exista, lhe dê coragem para não aceitar jamais tal animal como filho, que o abandone, porque ELA, GRANDE MÃE, já foi abandonada por UM SER TÃO FEROZ. Francamente, sinto revolta dentro de mim por viver num Mundo tão DANADO. IRRA!
  • Dias
    20 jul, 2017 Lx 16:27
    Afinal a legalização do aborto em Espanha veio atrasada, este era um caso que se justifica, claro estou a falar do juiz !!!!
  • Grande JUIZ
    20 jul, 2017 portugal 15:22
    A culpa não é verdadeiramente do SACANA do garoto, mas sim das leis que estes governos bandalhos têm criado ao longo destes últimos anos, estimulam a que tudo isto venha a acontecer, pois perante estes bandalhos, os pais já não podem dar uma palmada ao MALVADO do filho, que melhor seria, NUNCA TER NASCIDO.
  • Bela
    20 jul, 2017 Coimbra 14:10
    Abençoado juiz! Seria bom que aqui em Portugal se tivesse isso em conta, nos casos que algumas crianças por capricho acusam os pais de violência. E já agora, também, quando certas instituições retiram os filhos aos pais sem que tenham sido apurada, a verdade.
  • Mãe do Universo
    20 jul, 2017 salvaialmas.com.br 09:56
    Nós amamos nossos filhos! Somos capazes de tudo fazer por eles, para a felicidade deles; somos capazes de permanecer ao lado dos filhos, durante noites e dias, caso precisem de nossos cuidados; em todos os nossos planos, os incluímos, pois para nós, quase nada mais importa: vivemos para eles! Eles são a pupila de nossos olhos; a razão de nossas alegrias ou tristezas; a razão de nossas vidas! Sofremos ao ver nossos filhos doentes, ou em caminhos errados, distanciados de Deus! Nos deleitamos em alegria com a volta deles para os nossos braços! Mas, filhas amadas, nem sempre somos correspondidas com o mesmo amor! Não devemos, no entanto nos lamentar, pois é nossa missão amá-los, protegê-los, prepara-los, mesmo sabendo que, muitas vezes não sejamos reconhecidas por eles próprios. O mundo arma ciladas e escancara suas portas para engolir nossos filhos, a fim de encaminhá-los à perdição, afastá-los do lar. Os corações das mães sofrem com a ingratidão dos filhos, tornando-as fracas, depressivas, doentes, magoadas. Mas há milhares de mães que não se preocupam em preparar seus filhos quando crianças, deixando-os à mercê do mundo. Eles crescem com o mundo, aprendendo do mundo as coisas vãs, a viverem separados do lar e dos conselhos da mãe. Já não podem ser controlados ou orientados. Aprenderam com o mundo! Não respeitam os conselhos da mãe agora, porque antes, quando crianças, não foram aconselhados! Muitas mães choram esta perda, mas não reconhecem sua própria culpa! "Mãe do Universo"