O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Peregrinação Pastoral Penitenciária leva mensagem de esperança aos reclusos

19 jul, 2017 - 17:08 • Ecclesia

Iniciativa associou-se às celebrações do Centenário das Aparições
A+ / A-

A Pastoral Penitenciária em Portugal promoveu a sua segunda Peregrinação Nacional a Fátima, que neste ano do Centenário das Aparições quis deixar uma mensagem de esperança aos reclusos do país.

“No ano do Centenário das Aparições, a Pastoral Penitenciária de Portugal quis tornar presentes junto de Nossa Senhora de Fátima, Mãe da Esperança e da Paz, os Reclusos e Reclusas que não podem estar aí fisicamente presentes”, refere um comunicado deste serviço da Igreja Católica.

Do Programa deste domingo constou um momento de acolhimento no Átrio do Seminário do Verbo Divino, seguido de uma Peregrinação conjunta até à Basílica da Santíssima Trindade onde decorreu a Eucaristia presidida por D. Joaquim Mendes, bispo auxiliar de Lisboa.

“Esta Peregrinação, mais do que uma mera ida ou caminhada até Fátima, pretendeu recordar a todos os envolvidos que a vida é uma longa caminhada que cada um é chamado a percorrer, de pé, com os olhos voltados para a frente e para o alto e onde todos têm o direito de sonhar, de recriar o tempo, de alimentar esperanças, de alcançar a liberdade”, adianta a Pastoral Penitenciária.

A iniciativa teve como tema “Com Maria, Peregrinos na Esperança e na Paz” e envolveu cerca de catorze mil pessoas que se encontram actualmente em Portugal em situação de privação de liberdade e seus familiares, os dirigentes, os guardas prisionais, os técnicos, bem como os assistentes espirituais e religiosos prisionais, os colaboradores, os voluntários e os simpatizantes da Pastoral Penitenciária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.