O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Diferença entre Anderlecht e Benfica não é "assim tão grande", diz o novo alvo das águias

18 jul, 2017 - 10:23

Mile Svilar, guarda-redes de 17 anos do campeão belga que tem estado no radar da águia, fala em "grandeza semelhante" dos dois clubes, em entrevista ao jornal "Record".
A+ / A-

Mile Svilar não fecha a porta ao Benfica, apesar de considerar que um salto do Anderlecht para a Luz não seria muito significativo, em entrevista ao jornal "Record".

O guarda-redes, de 17 anos, que completa 18 no próximo mês, a 27 de Agosto, está tapado no campeão belga, mas poderá encontrar o seu espaço no tetracampeão português. A jovem promessa está no radar das águias e, em declarações ao "Record", prefere deixar o tempo correr antes de tomar qualquer decisão.

"Na verdade, não sei o que se passa. Tenho mais de um ano de contrato e vamos ver o que acontece até ao final de Agosto. Mas claro que conheço o Benfica. É um grande clube", salienta, apesar de nem ver a possível mudança para a Luz como um salto "assim tão grande".

"O Anderlecht também é um grande clube na Bélgica. O Benfica venceu os últimos quatro campeonatos em Portugal e tem muitos no palmarés, mas o Anderlecht também tem 34 campeonatos belgas. Talvez o Benfica tenha mais história, mas a nível nacional, a grandeza dos clubes será semelhante", compara.

Mais minutos, seja num "grande" ou no outro

Embora tapado no campeão belga, Svilar acredita no seu valor: "Tenho só 17 anos, mas quero jogar. Não é impossível fazê-lo no Anderlecht."

"Por agora, estou apenas concentrado em treinar e jogar bem. O resto verei depois. Tenho empresário e ele é que trata dessas coisas. Eu não penso nisso. Para já, só penso no Anderlecht", frisa. "Depois, se realmente vier a avançar algo com o Benfica, verei qual o próximo passo na minha carreira."

Apesar da curta distância, na opinião do guardião belga, entre "mauves et blancs" e encarnados, Svilar admite que os guarda-redes das águias são mais populares. Júlio César "é um dos melhores de sempre" e Ederson, "que foi para o Manchester City", refere o jovem, bem informado, é "outro grande guarda-redes".

A diferença nos níveis de exigência entre jogar num clube e no outro também não assusta Svilar. "Deve ser parecido. Há que fazer uma ou duas defesas por jogo. Talvez três nos jogos grandes", observa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.