O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Enfermeiros alertam

Grávidas de alto risco fazem 60 km para serem assistidas

18 jul, 2017 - 09:02

Desde o início do mês que os enfermeiros especialistas não prestam cuidados diferenciados em protesto pelo não pagamento da especialização.
A+ / A-

Os Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstétrica (EESMO) denunciaram a existência de partos não assistidos no domicílio e grávidas de alto risco em trabalho de parto que fazem percursos de ambulância que chegam aos 60 quilómetros.

Em comunicado, os enfermeiros especialistas, que desde o início do mês não prestam cuidados diferenciados em protesto pelo não pagamento da especialização, dizem que vão apresentar uma denúncia na Procuradoria-Geral da República e denunciar a situação às entidades nacionais europeias e mundiais competentes.

Apontam também casos de grávidas com alta clínica “que são aconselhadas por médicos a recorrerem a outras maternidades pelos seus próprios meios” e dizem que as taxas de cesariana e de partos por fórceps estão a aumentar.

Os enfermeiros especialistas, que além deste protesto têm uma greve agendada para entre 31 de Julho e 4 de Agosto, falam também de grávidas que já ultrapassaram a data segura prevista para o parto e que “recorrem várias vezes às suas maternidades sem que seja possível recebê-las para indução de trabalho de parto” e de casos de blocos de obstetrícia encerrados, assim como de consultas e exames pré-natal não realizados.

Os EESMO garantem que “a assistência de emergência nunca foi posta em causa” e que dentro das salas de parto, “mesmo sem o devido reconhecimento, as emergências obstétricas têm tido toda a assistência adequada”, mesmo por parte dos enfermeiros especialistas em protesto.

“No entanto não nos responsabilizamos sobre as más decisões ou não-decisões, do Governo de António Costa, e sobre o que se passa em casa das pessoas, nos carros das pessoas ou nas ambulâncias que transportam as pessoas (…) que deviam estar internadas nas maternidades usufruindo de cuidados de saúde adequados, para os quais todos contribuímos”, sublinham.

Na semana passada, o Ministério da Saúde adiou para Setembro a decisão sobre a alteração remuneratória dos enfermeiros especialistas, pois defende que tal medida só pode ser tomada depois de conhecidos os reais impactos das regras de descongelamento de carreiras.

Depois desta posição da tutela, os enfermeiros decidiram manter o protesto e convocaram mesmo uma greve de cinco dias, considerando que o memorando representava “uma mão cheia de nada”.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, que apoia os profissionais neste protesto, existem cerca de 2.000 enfermeiros que, apesar de serem especialistas, recebem como se prestassem serviços de enfermagem comum.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • XUXAS MANIPULADORES
    18 jul, 2017 Lx 11:19
    As esquerdas a decretar a falência do SNS...Assim se vê a força das esquerdas folclóricas que desgovernar Portugal: cativações kamaradas, a isso se chamam cativações e já agora paguem aos fornecedores que há seis meses não vêm a cor do dinheiro..O socialismo funciona bem a varre despesa para debaixo do tapete como fazia o Sr. Pinto de Sousa, o arguido mais conhecido de Portugal e mais trafulha de todos os tempos. O socialismo só traz miséria.Basta ver os países onde houve e existe socialismo e a miséria que existe...
  • Podem ter razão
    18 jul, 2017 Pt 10:07
    Mas perdem-na quando esticam a corda e utilizam a hipocrisia para alarmar as pessoas. Há que recordar também que há 4 anos não se preocupavam tanto com as gravidas e emigravam quando os forçaram a isso! Agora que podem ter esperança em resolver a situação tomam posições que só afectam quem dizem querer defender.
  • Ah! Sim?
    18 jul, 2017 Lis 09:12
    Então preocupem-se em voltar ao trabalho normal e deixem a hipocrisia para trás! Tanto quanto se sabe estão agendados encontros para resolver as reivindicações!