O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Cerca de 120 bombeiros e 40 militares do Exército reforçam combate em Alijó

17 jul, 2017 - 23:01

Esta noite foi decretado Estado de Emergência Municipal. Com os reforços o número de efectivos no terreno aumentará para cerca de 800 pessoas.
A+ / A-
Alijó e Mangualde activam planos de emergência
Alijó e Mangualde activam planos de emergência

Cerca de 120 bombeiros e 40 militares do Exército vão reforçar esta noite o combate ao incêndio de Alijó, distrito de Vila Real, que lavra há quase 48 horas, disse o comandante distrital de operações de socorro.

Álvaro Ribeiro fez um ponto da situação do fogo, que deflagrou na zona de Vila Chã, na madrugada de domingo, e referiu que o combate mobiliza 162 veículos e 562 operacionais, entre bombeiros, GNR, INEM, Exército e da Força Especial de Bombeiros.

Segundo o mesmo responsável, durante as próximas horas vão chegar ao terreno mais quatro grupos de reforço de bombeiros e mais dois pelotões do Exército com um total de 40 militares.

"Estamos a fazer uma análise dos vários sectores e esperamos durante a noite, com este reforço de meios, ter todo o perímetro do incêndio com operacionais, de forma que possamos extinguir todo o perímetro", salientou.

O objectivo aproveitar o reforço de meios e o arrefecimento da noite, no entanto, Álvaro Ribeiro, ressalvou que o vento forte e a secura da vegetação tem sido um "factor desfavorável" no combate ao fogo.

As chamas progridem em duas frentes, sendo a da parte virada ao rio Tua, na zona do Franzilhal e de Carlão, a que inspira mais preocupações. Com "menor actividade" está a lavrar a frente que avança para a zona de Vilar de Maçada.

"A maior preocupação é a parte virada ao rio Tua, que é onde estamos a aguardar oportunidade para aí fazer um ataque musculado", salientou.

Durante a tarde verificaram-se várias reactivações neste fogo, que afecta uma grande percentagem do concelho, aproximando-se de várias aldeias, de onde foi necessário retirar algumas pessoas, entre crianças, idosos e doentes, por precaução.

Decretado Estado de Emergência Municipal

O presidente da Câmara de Alijó, Carlos Magalhães, decretou o Estado de Emergência Municipal por volta das 21h30 desta segunda-feira.

Antes, o autarca já tinha avisado que se preparava para o fazer e explicava porquê. “É um alerta, é um pedido de socorro para todo o país para ver se nos ajudam”, afirmou aos jornalistas na localidade de Vila Chã, onde as chamas se aproximaram das casas durante a tarde, assustando a população. E acrescentou: “Está incontrolado o fogo, não sei o que a noite nos vai trazer porque não vamos ter os meios aéreos e o vento continua e as frentes activas têm-se multiplicado”.

O autarca referiu que o Estado de Emergência significa um “pedido à tutela”. “É um pedido de socorro, é um pedido de ajuda porque nós já não somos capazes de dominar isto, os homens que já estão aqui já estão exaustos, precisávamos de mais alguma coisa”, sustentou.

O presidente disse que pediu mais meios para o combate a este fogo, referindo que só vê uma solução através dos “meios de combate aéreo”.

“Não estou a ver, no terreno, que os homens consigam aceder a estas zonas tão declivosas e com orografia tão pedregosa. Seria um risco para estes homens”, salientou. Homens que já “estão exaustos” depois de muitas horas de combate a um incêndio “que não dá tréguas”

Praticamente todo o concelho, “ a norte, a poente e a nascente está todo em chamas, salvaguardando apenas a zona sul que está ocupada por vinhas.

“Num teatro de operações como este há sempre pequenas falhas, mas eu não me quero referir a essas pequenas falhas, quero-me referir às grandes falhas de há muitos anos, como a falha de uma política que defina um planeamento florestal e que não existe”, sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Toninho Marreco
    18 jul, 2017 Ponte do Lima 00:00
    40 militares . Espero que os outros, nos quarteis , estejam todos bem agasalhados para não se constiparem e aproveitem para dar um olhinho ás armas ...