O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Governo submete pedido de activação do Fundo Europeu de Solidariedade

17 jul, 2017 - 21:16

Prejuízos ascendem a 496,8 milhões de euros: 193,3 milhões referem-se a prejuízos directos e os restantes 303,5 milhões a medidas de prevenção e relançamento da economia.
A+ / A-

O Governo português submeteu esta segunda-feira à Comissão Europeia o pedido de activação do Fundo Europeu de Solidariedade na sequência dos incêndios que atingiram a região Centro em Junho, disse à Lusa fonte do Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas.

Segundo a fonte do gabinete do ministro Pedro Marques, o pedido foi feito esta tarde, por via electrónica, tendo o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, enviado também uma carta formal à Comissão Europeia dando conta da submissão.

O pedido refere que os prejuízos ascendem a 496,8 milhões de euros – 193,3 milhões referem-se a prejuízos directos e os restantes 303,5 milhões a medidas de prevenção e relançamento da economia.

Há uma semana, no dia 11, a comissária europeia para a Política Regional, Corina Cretu, disse que aguardava ainda o pedido de Portugal para recorrer ao Fundo de Solidariedade Europeu.

"As autoridades portuguesas pediram-nos para acelerar o processo, mas não podemos sequer iniciá-lo porque não recebemos nenhum pedido" formal, sublinhou a comissária, em conferência de imprensa.

No mesmo dia, fonte do Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas indicou que o Governo e a Comissão Europeia concluiriam nessa semana os contactos relativos à activação do fundo, seguindo o pedido formal após esse processo.

Dois grandes incêndios começaram no dia 17 de Junho em Pedrógão Grande (distrito de Leiria) e Góis (distrito de Coimbra), tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos. Foram extintos uma semana depois.

Estes fogos terão afectado aproximadamente 500 habitações, 169 de primeira habitação, 205 de segunda e 117 já devolutas. Quase 50 empresas foram também afectadas, assim como os empregos de 372 pessoas.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    17 jul, 2017 Viseu 21:49
    Os milhoes para prevencao e relancamento da economia, se vierem, nem se lhe vai ver a cor, ja o restante, sera apenas para a capa dos jornais, como se explora a desgraca humana!