O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Curdos com 99% certeza de que líder do Estado Islâmico afinal está vivo

17 jul, 2017 - 20:30

Um alto oficial de contraterrorismo no Curdistão iraquiano diz que apesar de ter perdido Mossul e de estar prestes a perder Raqqa, o Estado Islâmico vai continuar a ser um osso duro de roer.
A+ / A-

E depois de Mossul?


As notícias da morte do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr Al-Baghdadi, poderão afinal estar erradas, segundo um alto responsável do combate ao terrorismo no Curdistão iraquiano.

Em declarações à Reuters, Lahur Talabany diz que tem informações seguras de que Baghdadi permanece vivo e em fuga.

“Bagdadi está vivo, sem dúvida. Não morreu. A nossa informação é de que está vivo. Acreditamos nisso com 99% de certeza”, afirma.

Segundo este especialista, há que não esquecer que Baghdadi tem uma longa experiência em escapar-se às autoridades. “Não esqueçam que as raízes dele remontam aos dias da Al-Qaeda no Iraque. Já na altura escondia-se dos serviços de segurança. Ele sabe bem o que está a fazer.”

O líder do Estado Islâmico já foi dado como morto diversas vezes, mas recentemente a Rússia afirmou que havia fortes probabilidades que tinha sido morto num ataque aéreo levado a cabo por Moscovo perto de Raqqa, na Síria. A notícia da sua morte foi entretanto confirmada pelo Observatório Sírio para os Direitos Humanos e por fontes do próprio Estado Islâmico, citadas pela televisão iraquiana, mas os Estados Unidos, por exemplo, recusaram confirmar essas versões dizendo que não dispunham de informação suficiente.

Baghdadi lidera o Estado Islâmico há vários anos e presidiu à ascensão do grupo ao ponto de controlar quase um terço do Iraque e da Síria, declarando-se Califa de um estado territorial que chegou a cunhar moeda e dominar a segunda maior cidade do Iraque.

Após a libertação de Mossul pelas forças armadas iraquianas, em coligação com milícias xiitas, cristãs e curdas, o Estado Islâmico deverá voltar à guerrilha, mas a ameaça não desaparece, insiste Talabany.

“O território que eles controlam agora, ainda hoje, é território muito duro. O jogo não acabou para o Estado Islâmico. Agora preparam-se para uma luta diferente. Temos dias muito mais duros à nossa frente do que as pessoas pensam. Será como a al-Qaeda com esteróides”, diz o alto responsável curdo.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João
    18 jul, 2017 Síria 13:28
    Sim Fernando. Porque a guerra acaba quando Bagdadi morrer, e não quando o território controlado por eles for ocupado.
  • al
    18 jul, 2017 Adelaide 01:56
    ..this is just the MEDIA abusing people out there !! just big bull... should be penalized for those kind of NEWS !!
  • Fernando
    17 jul, 2017 Lisboa 21:35
    Propaganda americana, paga aos curdos. Interessa dizer que ele está vivo, para redirecionar a guerra e continuar, sem fim.