O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Comandantes regressam, armas saem de Tancos

17 jul, 2017 - 18:14

Chefe do Exército volta a nomear os cinco comandantes exonerados. Material de guerra de Tancos vai ser transferido para outros paióis.
A+ / A-

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Rovisco Duarte, decidiu transferir o material de guerra que ainda existia nos paióis de Tancos e voltar a nomear para os mesmos cargos os cinco comandantes que tinha suspendido para não perturbar as averiguações internas sobre o furto naquelas instalações militares.

"O Exército informa que os oficiais em causa foram nomeados pelo Chefe do Estado-Maior do Exército para os mesmos cargos, com efeitos a partir de 18 de Julho de 2017", diz um comunicado do Exército divulgado esta segunda-feira.

Esta decisão foi tomada "considerando que com a conclusão destas averiguações se encontram ultrapassadas as razões que justificaram a exoneração dos comandantes".

A suspensão (ou "exoneração temporária”) destes militares tinha sido anunciada no passado dia 1 pelo CEME, em declarações à RTP.

"Não quero que haja entraves às averiguações e decidi exonerar os cinco comandantes das unidades que de alguma forma estão relacionadas com estes processos", anunciou Rovisco Duarte, em declarações à RTP.

O porta-voz do ramo, tenente-coronel Vicente Pereira, esclareceu posteriormente que estas exonerações visavam um "afastamento temporário" e que no final das investigações internas poderiam "voltar a funções".

Os militares que tinham sido exonerados são o comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reacção Rápida, tenente-coronel Correia, o comandante do Regimento de Infantaria 15, coronel Ferreira Duarte, o comandante do Regimento de Paraquedistas, coronel Hilário Peixeiro, o comandante do Regimento de Engenharia 1, coronel Paulo Almeida, e o comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército, coronel Amorim Ribeiro.

A decisão do CEME de exonerar os cinco comandantes de unidade suscitou polémica no Exército, com dois generais da estrutura superior do Exército a assumirem publicamente a sua discordância face à forma como o Rovisco Duarte geriu este caso.

O tenente-general António de Faria Menezes pediu a exoneração do comando das Forças Terrestres, ocupado agora em "suplência" pelo número 2, major-general Cóias Ferreira.

A segunda "baixa" foi a do tenente-general Antunes Calçada, que pediu a passagem à reserva por, segundo noticiou o semanário Expresso, "divergências inultrapassáveis" com o CEME alegadamente devido à forma como o general Rovisco Duarte decidiu exonerar os cinco comandantes.

Material transferido

O chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, decidiu transferir o material militar actualmente nos Paióis Nacionais de Tancos, para outros paióis.

O Exército refere que a decisão foi tomada na sequência das averiguações internas ao furto de material de guerra, "nas áreas técnica, segurança física, controlo de acessos e vigilância electrónica".

A transferência do material para "outros paióis" foi decidida face à "obrigatoriedade de salvaguardar informação classificada de natureza estritamente militar", acrescenta o Exército, no comunicado.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    18 jul, 2017 Trofa 09:10
    Simplesmente vergonhoso
  • zita
    18 jul, 2017 lisboa 07:41
    Ora aí está o Circo, ou seja, uma grande palhaçada, mas não há problema, o governo de esquerda está de acordo, está tudo bem. É de esquerda então não há problema, viva o estado de graça para uns desgraça para outros. Quando o povão abrir os olhos temos aí os maus para resolver os rolos que vão sendo criados.
  • TROPA FANDANGA ESTA.
    17 jul, 2017 Lx 20:07
    Um circo monumental com este Chefe de Estado Menor das Forças Desarmadas...É uma comédia este país....Parabéns aos nomeados ou reintegrados pois prestaram um excelente serviço aos país...É só rir...
  • Paulo
    17 jul, 2017 Porto 19:21
    O humorista Fernando Rocha tem uma que se aplica aqui: é só cromos nesta rua.......
  • suspender
    17 jul, 2017 lis 19:04
    Não é exonerar!...Continuamos a ser bem informados pela RR!...
  • fanã
    17 jul, 2017 aveiro 18:49
    Mas ....estes Srs. brilharam por incompetência e são reintegrados ?????......... O Chefe Supremo das Forças Armadas acha isso NORMAL??????......Não diz nada por afecto ????..
  • 17 jul, 2017 Tancos 18:27
    Vamos ao circo, do exército . Meninos e meninas. Moços ricos, moças finas aí vem, aí vem o circo.