O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

SIRESP falha. CDS insiste em demissão da MAI, PSD quer explicações no Parlamento

17 jul, 2017 - 14:25

Um mês depois de Pedrógão, falhas de Alijó voltam a motivar críticas a Constança Urbano de Sousa.
A+ / A-

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, voltou a acusar, esta segunda-feira, o Governo de incompetência na gestão dos incêndios, apontado falhas que foram reiteradas no SIRESP e o atraso na chegada das doações solidárias às populações.

"Um mês depois da tragédia de Pedrógão, o que nós vemos é um Governo incompetente, que não assume a sua responsabilidade, é uma ministra da Administração Interna que não é capaz de evitar novas falhas no SIRESP [Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal]", afirmou Assunção Cristas.

A líder centrista afirmou que no incêndio em Alijó, que deflagrou no domingo, o sistema voltou a falhar e, por outro lado, apontou falhas na "chegada das ajudas, do dinheiro que solidariamente foi dado por todos os portugueses, às populações".

"Hoje, passou um mês e ainda não chegou dinheiro nenhum", declarou aos jornalistas antes de uma visita ao Centro Social da Musgueira, em Lisboa, na qualidade de candidata à Câmara de Lisboa.

A presidente do CDS-PP insistiu ainda na necessidade da demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa: "Entendemos que, enquanto a ministra da Administração Interna lá continuar, não há autoridade e não há medidas concretas e eficazes no terreno."

"Sabemos que azares acontecem, mas não pode haver repetições e o que vemos nesta falha do SIRESP é um sistema que não está a funcionar. Pergunto, o que é que a ministra da Administração Interna está a fazer? Este é um sistema gerido pela secretaria-geral da Administração Interna", questionou.

Relativamente ao SIRESP, Assunção Cristas associou este sistema às funções de ministro da Administração Interna desempenhadas pelo atual primeiro-ministro no Governo socialista de José Sócrates, e defendeu que o Governo tem de "por a funcionar" o sistema ou "fazer uma avaliação profunda".

Questionada se defende que o executivo denuncie o contrato do SIRESP, que é uma parceria público privada, a líder centrista evitou responder diretamente, tendo afirmado: "O que eu defendo é que o Governo ponha mão e ordem nesta matéria".

Criada como uma Parceria Público Privado em 2005 pelo Governo PSD/CDS de Santana Lopes, o contrato garantia uma renda de 580 milhões ao consórcio criado entre a PT, Motorolla, Esegur, Grupo Espírito Santo, Caixa Geral de Depósitos e SLN, de Oliveira e Costa. É aliás da SLN - mais especificamente da Plêiade, empresa da SLN - que surge o ministro que assina o contrato de PPP, Daniel Sanches.

A assinatura do contrato em 2005 aconteceu quando o Governo de Santana Lopes estava demissionário e, em princípio, não devia celebrar atos que não fossem "urgentes". Por isso, mais tarde, António Costa, então ministro do Ministério da Administração Interna no primeiro Governo de José Sócrates, pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma avaliação do contrato assinado por Daniel Sanches.

A PGR invalidou o contrato (por curta margem) e António Costa anulou o despacho do Governo anterior e procedeu depois a uma renegociação com o mesmo consórcio, resultando numa poupança de 485 milhões.

A rede de comunicações de segurança e emergência do Estado já falhou em outras situações, como no temporal de Janeiro de 2013, também em Pedrógão Grande, e no incêndio que deflagrou em Agosto de 2016 no concelho do Sardoal.

O incêndio que deflagrou no dia 17 de Junho em Pedrógão Grande provocou a morte a 64 pessoas e mais de 200 feridos.

PSD quer ministra no parlamento

O PSD exige a presença da ministra da Administração Interna no Parlamento "com a máxima urgência" para explicar "o que foi feito" para colmatar as falhas verificadas no incêndio de Pedrógão Grande, perante novos problemas detectados em Alijó.

"Um mês depois, o PSD quer saber o que é que o Governo fez para colmatar lacunas na prevenção e combate aos incêndios florestais", afirmou o vice-presidente da bancada do PSD Carlos Abreu Amorim, exigindo explicações de Constança Urbano de Sousa sobre o que foi feito "para tranquilizar as populações" e para que "os apoios sociais e a ajuda necessários" cheguem às populações afetadas.

Em conferência de imprensa no parlamento, Abreu Amorim acrescentou que o PSD teme "que tenha sido feito muito pouca coisa perante as falhas" detetadas no domingo no Sistema Integrado de Redes de Emergência de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) no incêndio de Alijó (Vila Real).

No dia em que se assinala um mês sobre a tragédia dos incêndios da zona centro, que fizeram 64 mortos e mais de 200 feridos, o PSD acusou o Governo de "incúria, desleixo e irresponsabilidade".

"Um mês depois, e num incêndio de grandes proporções, algumas dessas falhas manifestaram-se novamente, designadamente com o SIRESP", criticou o vice-presidente da bancada do PSD, considerando que "grande parte dos problemas, das falhas e das trapalhadas" que aconteceram nos incêndios de há um mês não foram nem afastadas, nem resolvidas.

Para os sociais-democratas, a ministra da Administração Interna "tem de dar explicações, em primeiro lugar porque ainda é titular responsável da pasta que directamente se relaciona com incêndios e, em segundo lugar, porque é a ela que cabe resolver problemas que já foram diagnosticados", numa referência ao SIRESP.

"Não vale a pena repousar e adormecer perante problemas que já sabemos que existem", alertou, dizendo que este pedido de explicações não colide com o trabalho que começou a ser feito pela Comissão Técnica Independente proposta pelo PSD.

"Há problemas que todos nós sabemos que aconteceram, não vale a pena continuar a dizer que o SIRESP não falhou. Não funcionou há um mês, com resultados dramáticos, e agora um mês depois continua a não funcionar. Porque é que continua sem dar conta do recado", questionou.

Depois da audição de Constança Urbano de Sousa, que o PSD espera que aconteça "o mais brevemente possível", os sociais-democratas não excluem outros pedidos de audições, considerando que o aproximar da paragem dos trabalhos parlamentares - o último plenário está marcado para quarta-feira - "não pode servir como pretexto".

O vice-presidente da bancada do PSD lamentou ainda que dos 13,5 milhões de euros recolhidos pela sociedade civil "tão pouco" esteja a chegar às vítimas da tragédia.

"A nossa sociedade civil é muito melhor e é muito mais eficaz que o Governo. Temos um Governo muito mais pequeno que a sociedade civil portuguesa", lamentou.

Carlos Abreu Amorim apelou ainda que os diplomas apresentados pelo PSD, que preveem mecanismos rápidos de reparação aos herdeiros dos mortos e feridos graves, mereçam uma "maioria alargada" e sejam aprovados na próxima quarta-feira.

"Se não criarmos este mecanismo extrajudicial, os herdeiros dos mortos e feridos graves vão estar cerca de uma década à espera das indemnizações", alertou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ó forte
    17 jul, 2017 port 18:56
    estás a ver-te ao espelho?
  • Forte
    17 jul, 2017 Casa 17:32
    Que estávamos entregues à bicharada já eu sabia. O que eu não sabia é existia tanta escumalha que ainda acha que a senhora ministra se deve manter no cargo. Esta gente não tem um pingo de dignidade. Bastava uma morte para que a Sra ministra tivesse alguma vergonha, mas nem 64 são suficientes! É normal, num povo que só pensa em aborto e em eutanásia não tem qualquer respeito pela vida humana!
  • 17 jul, 2017 aldeia 17:05
    Vamos esperar para ver qual o resultdo eleitoral que esta candidata irá ter.Tudo faz para ter um pouco de protagonismo,mas o cds cada ves está mais esquecido,até o seu antigo líder.
  • Amorim
    17 jul, 2017 lis 16:58
    O bombeiro incendiário do PSD! Sempre "fardado" para atear o fogacho!...
  • O PSD
    17 jul, 2017 port 16:48
    O que quer, na boa gíria portuguesa, são "lulas"...Andam desesperados e desnorteados porque vêem o chão a fugir-lhes dos pés e como não sabem fazer mais nada, encenam dramatismo, intrigam, caluniam, teatralizam e tudo lhes serve para tentarem desestabilizar, até a desgraça das pessoas que hipocritamente dizem estar contra! São manhosos e falsos, não como o diabo que aspiram a sua vinda, mas como Judas!...Os seus acólitos do CDS seguem a mesma estratégia apesar de nos tentarem convencer que são diferentes!...Mas o ADN é o mesmo!
  • Sara
    17 jul, 2017 Lisboa 16:36
    A sra Cristas com eleicoes a porta esta aproveitar os incendios para ajudar na sua campanha eleitoral p.falhas em tudo sempre as ouve mas é mais facil acusar o siresp para nao ferir outras areas.gostava de ver era ela a falar das falhas da proteccao civil e dos bombeiros.
  • realmente!
    17 jul, 2017 lis 16:26
    Começa a ser notório quem se quer servir da desgraça dos outros! E não nos venham dizer que não! Insistem, insistem, fletem, fletem, sempre na mesma coisa! Demissões! Apresentem soluções que é para isso que serve uma oposição credível, se forem capazes! O problema é que não são e vão sempre ter à mesma rábula! Demissões!
  • André
    17 jul, 2017 Arouca 16:22
    Oh CDS, em 2014 eram vocês governo e mandavam no SIRESP, tivemos um fogo devastador aqui em Arouca, onde foram enviados quase 600 (foram 598 se não me engano) consultores, pagos pelo governo, para justificar porque razão o sistema de comunicações falhou e o comandante dos bombeiros locais, ter mandado deixar os rádios no quartel, passando a só usar os por amplitude modulada. Esses 600 consultores realizaram alguma alteração no ano e meio de governo do vosso partido? É que veio um grupo desses consultores ao quartel que mais pareciam vendedores de banha da cobra, a prometerem carros novos, rádios novos e a reclamarem que os rádios usados eram "do tempos da maria ché-ché". Em que é que ficamos? Se em 2014 não importava a ninguém (não vi tanta palhaçada como agora), porque é que agora é tão importante que querem demissões?
  • realmente!
    17 jul, 2017 lis 16:17
    Começa a ser notório quem se quer servir da desgraça dos outros! E não nos venham dizer que não! Insistem, insistem, fletem, fletem, sempre na mesma coisa! Demissões! Apresentem soluções que é para isso que serve uma oposição credível, se forem capazes! O problema é que não são e vão sempre ter à mesma rábula! Demissões!
  • maria
    17 jul, 2017 Lx 16:17
    Estou tão, mas tão farta destes pafianos armados em honestos, que já nem ligo a tv só para não os ver.