O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Mortes nos Comandos. Pais das vítimas pedem 650 mil euros de indemnização

17 jul, 2017 - 09:45

Ministério Público acusa 19 militares, entre os quais um médico e um enfermeiro, no caso da morte dos dois recrutas.
A+ / A-

Hugo Abreu e Dylan da Silva morreram em Setembro de 2016 durante a Prova Zero do 127.º Curso de Comandos. Os pais pedem ao Estado e restantes arguidos uma indemnização global que ascende aos 650 mil euros.

As contas são avançadas pelo jornal “Público”. Os pedidos vão ser juntos à acusação finalizada em 20 de Junho pela procuradora Cândida Vilar, que deu por terminado o inquérito em que foi coadjuvada pela Polícia Judiciária Militar. É no julgamento que será apreciada a questão civil, juntamente com a questão criminal, se se confirmar que o caso segue para tribunal.

O Ministério Público acusa 19 militares no caso da morte dos dois recrutas. Entre os acusados estão um médico e um enfermeiro.

“Defraudados pela confiança que depositaram no Exército Português, a quem o filho estava confiado.” Foi assim que se sentiram os pais de Hugo Abreu, uma das duas vítimas mortais de um caso que remonta a Setembro de 2016.

Segundo o jornal, os pais deste jovem de 20 anos entregaram à Justiça um pedido de indemnização civil. No documento, o montante global de indemnização será “nunca inferior a 300 mil euros”, repartido entre 200 mil euros pedidos a título de indemnização por perda do direito à vida, 30 mil euros por danos sofridos pela vítima e 70 mil euros por danos sofridos pelos pais.

O diário adianta que os pais de Dylan Fernandes, que ainda esteve internado no Hospital Curry Cabral, mas acabaria também por falecer, preparam-se para entregar uma indemnização semelhante, mas com um valor superior: 350 mil euros. A discrepância é justificada pelo “compasso de sofrimento até à morte”, diz Pedro Saraiva – advogado dos pais de Dylan Fernandes – acrescentando que “todo esse sofrimento é indemnizável.

O advogado recorda ainda que “o Dylan esteve em coma induzido, mas teve fases em que esteve consciente”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    17 jul, 2017 évora 16:04
    Quando transformam a justiça Portuguesa numa espécie de Santa Casa da Misericórdia com o Euromilhões já atribuído pelo resultado de uns estarem enterrados , está tudo dito ! Não a procuram para fazer justiça , procuram para enriquecer de uma forma escandalosa , nunca vi alguém vir pedir que sejam condenados a 25 anos de prisão e 1 euro de indemnização simbolicamente , pedem até absolvição mas civilmente nem que seja o Estado a pagar valores exorbitantes , a bem dizer a vida não tem valor , mas mesmo que tivesse muitos nem 1 cêntimo poderiam valer .