O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Discurso de ​Passos “copia” Poiares Maduro

12 jul, 2017 - 18:39

No debate do Estado da Nação, o discurso do líder do PSD usa várias passagens de uma publicação do seu ex-ministro no Facebook. Sem citar. Compare os textos.
A+ / A-
A culpa sem marido e uma ajuda do Camões. Ou o debate do Estado da Nação em 3 minutos

Uma passagem do discurso de Pedro Passos Coelho no debate do Estado da Nação desta quarta-feira tem várias frases iguais ou parecidas com um texto publicado no Facebook pelo ex-ministro Miguel Poiares Maduro.

Ao longo das nove páginas de discurso do líder do PSD, encontramos oito parágrafos decalcados ou inspirados do “post” do antigo ministro do Governo de Passos. Na sua intervenção, o presidente do PSD nunca cita Poiares Maduro.

Fonte oficial do PSD respondeu, por escrito, à Renascença que “é natural que o líder da oposição receba contributos de pessoas que lhe são próximas", manifestando estranheza pelo interesse da comunicação social nesta “pequena parte do discurso”, que tem “várias páginas”, do líder do partido.


Leia a passagem do discurso de Passos Coelho:

“- Um primeiro-ministro diz ao país que aceitou o pedido de demissão de secretários de Estado para estes poderem solicitar ser constituídos arguidos e depois descobre-se que, afinal, resignaram porque já tinham percebido que iriam, de qualquer modo, ser constituídos arguidos;

- Um primeiro-ministro informa o Parlamento que a retirada de três territórios da lista de paraísos fiscais foi feita depois de consultados os serviços técnicos mas afinal os serviços técnicos não foram tidos nem achados na decisão que não está, sequer, fundamentada face aos critérios dispostos na lei;

- Um primeiro-ministro, depois de andar um ano a prometer solucionar o problema do crédito malparado, afirma publicamente que o Governo e o Banco de Portugal estão a concluir negociações com as instituições europeias para adoptar finalmente uma solução, mas, poucos meses depois, pela voz de uma administradora do Banco de Portugal, vem-se a perceber que, afinal, não existia solução porque as regras europeias não o permitem;

- O Governo informa que solicitou um parecer técnico independente sobre um contrato na PPP SIRESP e depois descobre-se que, afinal, o parecer foi solicitado a quem tinha assessorado o contrato inicial;

- Um Governo diz que aumenta o orçamento dos serviços e que a austeridade acabou, mas depois impede os serviços de gastarem o aumento e, em alguns casos, até se constata que o gasto foi inferior ao que era antes, em particular quando se excluem os gastos com salários;

- Um Governo desfila pelo palco da tragédia de Pedrógão e, passado um mês, ainda nem sequer teve a capacidade de apresentar formalmente a Bruxelas o pedido de ajuda financeira para acorrer às pessoas;

- Uma maioria parlamentar propõe-se encerrar um inquérito à CGD antes da decisão judicial que autorizaria o acesso aos documentos fundamentais para apurar os respectivos factos;

- É difícil, senhor presidente, minhas senhoras e meus senhores, não encontrar nesta sequência um padrão, que se estende a muitos outros exemplos. Estou certo que, em muitos países, e sobretudo naqueles com os quais gostamos de nos comparar, isto seria considerado grave. Infelizmente, pelo nosso país, há hoje quem encontre nesta forma de proceder traços de genialidade ou de grande habilidade política."


Compare com a publicação de Miguel Poiares Maduro no Facebook:

“Um PM diz ao país que aceitou o pedido de demissão de Secretários de Estado para estes poderem solicitar ser constituídos arguidos e defenderem a sua honra e depois descobre-se que afinal resignaram porque já tinham sido constituídos arguidos.

Um PM informa o parlamento que a retirada de três territórios da lista de paraísos fiscais foi feita depois de consultados os serviços técnicos mas afinal os serviços técnicos não foram tidos nem achados.

O Governo informa que solicitou um parecer técnico independente sobre um contrato e depois descobre-se que afinal o parecer foi solicitado a quem tinha assessorado o contrato inicial.

Um governo diz que aumenta o orçamento dos serviços mas depois impede-os de o gastar….

Uma maioria parlamentar encerra um inquérito antes da decisão judicial que autorizaria o acesso aos documentos fundamentais para apurar os factos objecto desse inquérito.

Há um padrão nestes e noutros exemplos.

Em muitos países isto seria grave.

Em Portugal será descrito como génio politico!”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Damião Simão
    13 jul, 2017 Maia 23:31
    O que o ex Primeiro Ministro menciona é mentira? Existe algo de errado no que mencionou? Qual o problema de um ex ministro ter mencionado mais ou menos a mesma coisa? Gostaria de saber como comentaria o Sr. Jornalista / Comentador o que foi mencionado pelos dois ex Governantes.
  • Pois é!
    13 jul, 2017 port 18:35
    Diz o farsante que "Há um padrão nestes e noutros exemplos. Em muitos países isto seria grave." Deveria estar a referir-se ao copianço que fez, para produzir o discurso, que nem teve a dignidade de citar onde o foi copiar!...Esta farsa foi a constante durante 4 anos de governação em que até pretendeu enfrentar a Constituição e os juízes do Tribunal Constitucional apoiado por um presidente das cagarras!
  • Joa Francisco
    13 jul, 2017 Lisboa 17:44
    Então se o homem que só se consegue caracterizar pela sua mediocridade, não sabe, nem nunca soube muito seja sobre o que for, querem que as ideias lhe fluam de onde??
  • Rui
    13 jul, 2017 Lisboa 11:07
    Então o homem copiou, acho que não tem mal nenhum pois se não sabe fazer melhor quanto mais precisa de necessidades educativas especiais.
  • tomé
    13 jul, 2017 aljustrel 09:40
    Mentiras, cábulas e boatos. Eis a escola da jota laranjola em todo o seu explendor.
  • Mas
    13 jul, 2017 Lx 09:29
    PPC tem capacidades para escrever um discurso credível? Não foi o Gaspar que quando se demitiu afirmou na carta que havia falta de liderança por parte do chefe?
  • Ó amaro
    13 jul, 2017 Lis 09:20
    É grave porque o encantador de serpentes, quer à força convencer-nos da sua bondade! E infelizmente para os conscientes conseguiu, como bom farsola, enganar muita gente que nele acreditou!
  • Qual o espanto?
    13 jul, 2017 Lis 08:30
    De um farsola tudo é possível! Mais uma vez está demonstrada para quem tem ainda duvidas, a farsolice de um farsante que durante 4 anos no poder enganou muita gente de boa fé. Para bom vendedor de banha de cobra não lhe falta habilidade com aquele ar teatral de hipocrisia!
  • Amaro
    13 jul, 2017 Porto 05:10
    E isso é grave....já dar borlas á edp para e empurrar dividas para o futuro é ser bom politico, sério... pois!...
  • Julio Tavares
    13 jul, 2017 Porto 00:24
    Para Passos Coelho o tempo é sempre a andar para traz. Continua agarrado ao "tacho" que tem no partido, pouco se importando de ver o "seu ?" partido a perder continuadamente espaço na vida nacional. Até chega a dar a ideia que Passos é irmão tipo siamês de Luís Filipe Vieira e Pinto da Costa que não querem largar a presidência dos seus clubes, para através da Presidência desses clubes ficaram imunes, tipo Deputados, à chamada à Justiça dos seus desvarios. E Passos pelos vistos quer continuar a beneficiar da imunidade parlamentar para não ser chamado a responder pelos seus atos.