|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Demitiu-se o general José Calçada

08 jul, 2017 - 16:37 • Ana Rodrigues

Comandante de pessoal do Exército alega "divergências inultrapassáveis" com o Chefe de Estado-Maior do Exército.

A+ / A-

Zangado com o Exército, o general José Calçada, comandante de pessoal do Exército, demitiu-se e entregou uma declaração para a passagem ao estatuto de reserva.

José Calçada alega "divergências inultrapassáveis" com o Chefe de Estado-Maior do Exército.

O general refere ao Expresso que as discordâncias com Rovisco Duarte têm meses mas a gota de água foi o caso de Tancos.

José Calçada não concordou com a forma como o Chefe de Estado do Exército lidou com a situação exonerando cinco comandantes. Para o general Calçada, foi "inqualificável".

Este sábado, o general José Calçada publicou no Facebook um poema de despedida dedicado aos seus militares em que diz que "chegou a hora de partir das fileiras”.

Mas não foi só a demissão dos comandantes que desagradou ao general. A Renascença sabe que este general não reagiu bem ao facto do exército ter cancelado a apresentação do livro do militar Tinoco de Faria na Academia Militar, onde o general Alçada iria fazer a apresentação da obra. O livro acabou por ser lançado esta sexta-feira na Sociedade Histórica da Independência de Portugal no Palácio da Independência, em Lisboa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rfm
    08 jul, 2017 COIMBRA 19:55
    ... de ridículo já chega o deixar levar algo á sua guarda, já chega, se fosse um qualquer profissional de Segurança Privado, iria sem reserva sofrer processo disciplinar ...sem zangas, mas como as "zangas" são privilégio de alguns ...o certo que não foram guardadas devidamente armas na maior base do pais, sugiro que façam queixa á GNR local
  • Tugatento
    08 jul, 2017 amarante 19:17
    Ainda ha Generais que honram a instituição e o cargo. vergonhosa é a atitude ate aqui tomada pelo CEME, de autentica subserviência em relação ao poder politico. Sempre a sacudir a água do capote culpando vergonhosamente os seus homens par manter o seu cargo e baixar as calças aos políticos. Demita-se se for um militar como deve ser.
  • Zeca Mirolho
    08 jul, 2017 Alpedrinha 18:08
    Quem me dera a mim poder demitir-me e ficar com uma muitíssimo boa reforma sem nunca ter vergado a mola .
  • Jorge
    08 jul, 2017 Lisboa 17:37
    Adoro estas demissões de faz de conta, em que continuam alojados no nosso bolso. Agora se fosse uma demissão a sério...
  • rosalinda
    08 jul, 2017 lisboa 17:33
    Não faz falta nenhuma. Generais já há demais.
  • 08 jul, 2017 aldeia 16:52
    Um país de generais!..........