O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​Ministério Público pede absolvição de Pinto da Costa

05 jul, 2017 - 15:50

Presidente do FC Porto julgado por, alegadamente, ter contratado seguranças pessoais que sabiam não dispor de habilitação legal para o efeito.
A+ / A-

O procurador do Ministério Público (MP) pediu esta quarta-feira a absolvição do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, dos crimes que era acusado no âmbito da Operação Fénix, avança o “Jornal de Notícias”.

Na primeira sessão das alegações, no Tribunal de Guimarães, o MP também pediu a absolvição de Antero Henrique, antigo administrador da SAD azul e branca e actual director desportivo do Paris Saint-Germain (PSG).

A "Operação Fénix", com epicentro na empresa de segurança SPDE, tem um total de 54 arguidos.

É um processo relacionado com a utilização ilegal de seguranças privados, tendo os arguidos sido acusados de crimes como associação criminosa, exercício ilícito da actividade de segurança privada, extorsão, coacção, ofensa à integridade física qualificada, ofensas à integridade física grave, agravadas pelo resultado, tráfico, posse de arma proibida e favorecimento pessoal.

Pinto da Costa foi acusado de sete crimes de exercício ilícito da actividade de segurança privada, enquanto Antero Henriques responde por seis crimes idênticos.

Em causa está o facto de, alegadamente, tanto um como o outro terem contratado seguranças pessoais que sabiam não dispor de habilitação legal para o efeito.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VICTOR MARQUES
    06 jul, 2017 Matosinhos 16:25
    Este Pinto, um dia, há-de ser canonizado...É um santo!!!...
  • Para refletir...
    05 jul, 2017 Almada 20:10
    Não, a questão pertinente não é saber quanto custou ao erário publico, a questão pertinente é saber se podemos confiar na justiça? Outro problema é alguns que em vez de falarem em valores, falam em dinheiro. Um país é o reflexo daquilo que o povo é!
  • Jorge Veloso
    05 jul, 2017 Lisboa 18:37
    O propósito deste processo - fria e objectivamente bem analisadas as coisas - nunca foi outro senão este: lançar o labéu sobre o FCP e Pinto da Costa (enquanto seu presidente), apontando o dedo, galvanizando ainda mais as hostes fanatizadas contra o "inimigo", procurando desviar as atenções das prevaricações que, entretanto, os verdadeiros mal-feitores, vão protagonizando, e ao longo dos anos... Fazendo o "mal e a caramunha"! Infelizmente, e não só no futebol, assim é nesta sociedade mesquinha, invejosa e medíocre. Só que aqui, sobremaneira prejudicados e verdadeiramente penalizados - não obstante algum ou alguns destes elementos da segurança poderem ter efectivamente cometido crime (e pelo qual devem cumprir o devido castigo, com pesada pena) - são todos aqueles, e são muitos, que tendo ficado detidos desde então, em prisão domiciliária ou estabelecimento prisional, viram toda a sua vida suspensa vai para mais de 2 anos... Num país onde terroristas se evadem da prisão, escarnecendo de tal, meliantes assaltam paiois com a maior naturalidade... de facto, estes sujeitos de uma empresa de segurança são realmente o "grande perigo" e uma tremenda ameaça para a nossa comunidade!?...
  • Não há duvida
    05 jul, 2017 pt 18:33
    Que os comentários centram-se apenas nas guerras clubísticas, quando a questão pertinente é saber quanto custou ao erário publico (nossos impostos), esta investigação, para a montanha parir um rato?...
  • Para refletir...
    05 jul, 2017 Almada 18:22
    Para alguns comentadores informo que há alguns problemas na justiça como a opacidade, o que é assustador. Mas como em quase tudo na vida, há quem faz e quem permite ou deixa fazer. A opacidade na justiça tem grandes culpados, a imprensa que não mostra como ela funciona, não faz perguntas, e o povo que se cala e prefere divertir-se.
  • Para refletir...
    05 jul, 2017 Almada 18:10
    Mais um exemplo de mau jornalismo. Os jornalistas não se podem limitar a descrever factos, pois isso eu também faço. Eles têm de explicar às pessoas o porquê das coisas. O título é "Ministério Público pede absolvição de Pinto da Costa", mas eu pergunto não foi o Ministério Público que acusou inicialmente? É necessários explicar às pessoas porque razão houve esta mudança? Não se pode mudar "conforme o vento". Se é cedo demais para se perceber a razão da mudança, então não deviam publicar isto. Depois parece que a comunicação social acha tudo normal o que se passa na justiça. Na política é totalmente diferente. Eu pergunto se o país da justiça e o da política não é o mesmo?
  • Joaquim Ferreira
    05 jul, 2017 Abrantes 17:51
    Quando vamos ao medico, ao advogado, ao padre, á massagista... pedimos o certificado de habilitações???
  • cocoagad
    05 jul, 2017 porto 17:48
    o p c é arguido por ter segurança pessoal essa segurança que colaborava com a policia , reuniam-se antes dos jogos ai o presidente é responsável , mas o mais caricato de tudo é o presidente do Benfica ter como motorista e essa pessoa chegou a ser responsável no Benfica uma pessoa que traficava droga coitado deste presidente já não é arguido de nada coitado não sabia de nada mesmo nas barbas dele a droga dentro das instalações do clube e ele tao inocente o próprio motorista , mas é normal o pó sempre existiu ate nos pneus
  • Mensageiro da verdad
    05 jul, 2017 Alpiarça 17:39
    `´O sr. TUGATENTO: Se a justiça funcionasse em Lisboa como a Norte, O assassino que disparou o engenho explosivo que vitimou um expetador numa final da Taça, o suposto assassino que atropelou voluntariamente um adepto Italiano, as ofertas feitas aos árbitros (lembra-se da célebre frase que se não comprava vitórias nas competições Europeias com relógios de ouro), pois como dizia, se a justiça funcionasse em lisboa como no Norte, já o campo pequeno de SLB tinha fechado.
  • Tugatento
    05 jul, 2017 amarante 17:20
    Mais uma vez se prova, que a Norte, a justiça para esta gente nao existe.