O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Trovoada seca? Mão criminosa? Marta Soares avança uma terceira pista para explicar incêndio de Pedrógão

02 jul, 2017 - 11:46

A nova tese que o presidente da Liga de Bombeiros quer que se investigue, aponta para uma anomalia técnica gerada pelos postos de média e alta tensão.
A+ / A-

O presidente da Liga de Bombeiros, Jaime Marta Soares, diz que havia duas teses principais para o início do fogo de Pedrógão Grande, que vitimou 64 pessoas, as causas naturais provocadas por um raio de trovoada e a mão criminosa. Agora, Marta Soares, em entrevista à TVI 24, junta-lhe uma terceira hipótese: a do “arco voltaico”.

As causas naturais, segundo Marta Soares, e depois do relatório do IPMA, parecem estar afastadas. Já mão-criminosa, que o próprio avançara, mantém-se na sua óptica válida, mas carece ainda de confirmação. A nova tese, a terceira, e que o presidente da Liga de Bombeiros quer que se investigue, aponta para uma anomalia técnica.

“Passam naquela zona linhas de média e de alta tensão, que pode ter gerado não uma anomalia natural, mas uma anomalia técnica. As linhas de alta e média tensão com o temperaturas muito altas e com vento, não precisam de se tocar. Basta aproximarem-se para poderem gerar descargas eléctricas, o chamado o arco voltaico. E julgo que naquela região, gostaria que analisassem, porque se pode saber através do controlo da vigilância da linha, dando como boas as informações que tenho há um ferimento nos cabos. E são cabos grossos, em que se detectou um ferimento, uma ruptura, um corte que pode ter originado esta situação. Seria bom que se averiguasse”, reiterou na TVI 24.

No entanto, Jaime Marta Soares diz que as suas suspeitas de fogo posto se mantêm e afirma que sempre disse serem suspeitas e não certezas. “Não disse isso de ânimo leve, no último mês houve dez ignições num raio de um quilómetro do local onde começou este fogo. Isso quer dizer alguma coisa”, concluiu.

Referindo que a PJ é da melhores polícias do Mundo, Marta Soares disse que depois de ter aventado a hipótese de mão-criminosa no fogo mais letal de que há memória no país ouviu “coisas menos agradáveis” porque puseram “coisas na minha boca que não disse”.

Agora que a hipótese de causas naturais é infirmada pelo IPMA, Marta Soares afirma que “a verdade é como o azeite, vem sempre ao de cima”:


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • roubado
    03 jul, 2017 gaia 00:12
    E deixarem de ser uns estorvos presunçosos aqui nos comentários? A atacar o que uma outra pessoa diz com clareza e experiência... São dos que têm a perder com a verdade, é? Serviu-vos alguma carapuça? Ele não tem que provar nada, ele só tem que dizer o que sabe e assim o fez. E é de louvar porque mexeu em muita ninhada de cobras, coisa que só um bombeiro mesmo.. A polícia que é tão boa que resolve o caso em 2 dias e até encontra trovoada que mais ninguém vê, só tem é que ir falar com ele e averiguar. O IPMA já lhe deu alguma razão. Até agora era fogos todos os anos, mas não morria ninguém, e agora morreram 64. Sabe-se que os gananciosos abusam sempre mais e estes políticos estão estagnados na incompetência e corrupção. E por isso mesmo é que tem que se chegar à verdade da questão, ou acham que ficar na ignorância é dar algum sentido e respeito àqueles que partiram pelo inferno primeiro?
  • marquessilva
    02 jul, 2017 Coimbra 22:41
    É uma possibilidade que deve ser investigada também. Sei onde isto já aconteceu. Este fenómeno está cientificamente documentado e acontece em horas de elevada temperatura ambiente ou/e sobrecarga das linhas, ou seja, com maior probabilidade para os dias muito quentes cerca das 15 horas. É simples, o metal dos cabos eléctricos perde condutividade com a elevação da temperatura aquecendo mais e criando assim as condições para tal fenómeno, que se tornará mais provável com a maior proximidade entre cabos de carga diferente. Não são conhecidos os casos? Pois, acham que vai ser fácil aceder aos registos de interesse para efeitos de prova? Veremos.
  • Bela
    02 jul, 2017 Coimbra 22:12
    Não consigo entender porque razão não foi considerado o meu comentário, à noticia acima inserida, na qual eu mencionava que, embora possa parecer estranho, a afirmação feita por este senhor, pode acontecer. Não exactamente como ele diz, "As linhas de alta e média tensão com o temperaturas muito altas e com vento, não precisam de se tocar"... (facto improvável e dificílimo de suceder)./poderem gerar descargas eléctricas". Basta sim, árvores altas (eucaliptos ou pinheiros) colocadas por baixo ou muito próximo das mesmas para que tal possa acontecer. E tam... "para poderem gerar descargas. Apesar das proibições, quem as planta ou manda fazê-lo ignora tais recomendações. Mas depois quando são avisados fazem ouvidos moucos. O que não é mentira!
  • goncalves
    02 jul, 2017 ssuisse 21:48
    aos anos que à postes de alta e media tensao no meio das matas,mas se esta pessoa(marta) se deslocar aonde existe estes postes pode vêr que num raio de 15 metros as matas sao limpas,nao para a tiar fogos mas sim para proteger dos fogos.Mas este senhor demonstrou mais uma vez que nao percebe nada disto e quando por algum motivo quebra um cabo na central à logo um corte a linha ficando imediatamente sem tensao,mas esta marta ja nao me suprende palas suas atitudes o que se lamenta como se pode ter um presidente da liga de BOMBEIROS que vem que vem com este tipo de comentàrio ridiculo e so desmonstra falta de conhecimento,depois è mais um que nao quer admitir que foi fogo posto,uns falam que foi um raio,este diz que possivelmente foi o poste de alta tensao,todos a quererem se safarem,mas se tinham limpados as matas que sao do estado nada disso acontecia,mas as leis sao sò para serem cumpridas para particulares mas nao para todos,porque à os padrinhos e compadrinhos
  • Alberto Bule
    02 jul, 2017 Sintra 19:52
    Vai ser uma bota muito difícil de descaçar quando a nossa indiscutivelmente competente PJ identificar os causadores desta tragédia, rapidamente classificados como "malucos"...
  • JP
    02 jul, 2017 Lisboa 19:30
    Este é um dos maiores incendiários de Portugal. Pela postura e atitudes como dirigente do SCP, não tem qualquer dignidade para representar uma tão importante organização. Faz tudo para ser colocar em bicos de pé e aparecer...é um triste...
  • Bela
    02 jul, 2017 Coimbra 17:54
    O que este senhor diz em relação às linhas de média e alta tensão, embora possa parecer disparatado, pode acontecer. Não as linhas tocarem-se, mas árvores altas, como os pinheiros e eucaliptos, com o vento tocarem nalguma das linhas. Por essa razão é que é proibido cultivá-las muito próximo ou por baixo das linhas de média ou alta tensão. Infelizmente... há quem não se preocupe com isso.
  • Armando Espinho
    02 jul, 2017 Faro 16:45
    Com o ódio que destila ao Benfica, ainda vai dizer que a culpa é nossa.
  • Kimberto
    02 jul, 2017 Loures 16:32
    O relatório do IPMA não anula a possibilidade de ter sido um raio (até confirma aquilo que as televisões tem mandado calar sobre o que passou naquela estrada e na zona onde o fogo se iniciou). Há 9 anos atrás (2008) ao lado de Vila Franca, aconteceu um incêndio onde vários automobilistas disseram ter visto um raio a atingir uma antena de televisão. Ninguém ouviu trovoada em volta. Até as nuvens eram poucas. Depois de os bombeiros apagarem o fogo na casa, limitaram o ínicio do fogo a 3 televisores. Só que o curto-circuito acabou por ficar fora, pois os cabos mal foram atingidos. Ao analisarem o cabo da antena, o cabo estava derretido, confirmando aquilo que os automobilistas afirmaram ter visto e ninguém acreditava, porque não existiu trovão e não havia nuvens suficientes. Existiram trovões e raios na zona da Azambuja, a mais de 30 quilómetros de distância. Supostamente, foi um raio daí que atingiu aquela antena. Mas, o relatório confirma que existiram 3 "downbursts" que provocaram ventos estáveis entre 70 e 120 quilómetros hora entre as 14:30 e outros 2 entre as 20:30 e 21:30 a norte de Figueiró, onde a estação local registou 27 rajadas próximas dos 100 quilómetros hora entre as 20 e as 22 horas. Algo que muitos comentadores já tinham dito que era impossível e mentira...
  • Firefighter
    02 jul, 2017 São João Madeira 16:25
    Foi o "Raio que o parta"! Porque no te callas?