O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Tancos. Comandantes afastados temporariamente, diz porta-voz do Exército

02 jul, 2017 - 00:30

Esclarecimento foi feito à Lusa pelo porta-voz do Exército depois da entrevista de Rovisco Duarte à RTP.
A+ / A-

O porta-voz do Exército esclareceu no sábado à noite que as exonerações de cinco comandantes decididas pelo chefe do ramo, Rovisco Duarte, são temporárias e vigoram até serem concluídas as averiguações ao furto de material de guerra em Tancos.

As unidades em causa ficarão a ser chefiadas pelos atuais segundos comandantes até haver conclusões sobre os processos de averiguação abertos na sequência do furto ocorrido nos Paióis Nacionais de Tancos (Vila Nova da Barquinha, distrito de Santarém), detectado na quarta-feira, disse o porta-voz do ramo, Vicente Pereira, contactado pela Lusa.

"Não quero que haja entraves às averiguações e decidi exonerar os cinco comandantes das unidades que de alguma forma estão relacionadas com estes processos", anunciou o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, em declarações à RTP.

Questionado pela Lusa, o porta-voz do ramo esclareceu que as exonerações não são definitivas e constituem "afastamentos temporários" e que só no final das averiguações "poderá haver decisões, ou voltam a funções ou não voltam a funções".

Os militares exonerados são o comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reacção Rápida, tenente-coronel Correia, o comandante do Regimento de Infantaria 15, coronel Ferreira Duarte, o comandante do Regimento de Paraquedistas, coronel Hilário Peixeiro, o comandante do Regimento de Engenharia 1, coronel Paulo Almeida, e o comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército, coronel Amorim Ribeiro.

O Exército anunciou na quinta-feira que foi detectada na quarta-feira ao final do dia a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois 'paiolins', tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros.

Na sexta-feira, o Exército acrescentou que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José
    02 jul, 2017 LIsboa 12:23
    No tempo de Salazar já estavam todos no Forte de Elvas. Cambada de incompetentes,não se admite esta situação. Não se admite que um Ministro venha dizer que é responsável politicamente e não se demite,não se admite que o Chefe do Exercito venha dizer que as exonerações são temporárias,ele devia ser demitidos.Este Governo é responsável porque demora muito tempo para desbloquear verbas para fechar a rede.Não se admite que sabendo que aquele local era um ponto fraco não estivesse pessoal em permanência. Este Exercito é uma vergonha não tem nada a ver com a Instituição digna que eu servi com honra.Sr. Presidente da Republica quando fala sobre o assunto ou não tem tempo ?