O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Douro Internacional. Produtos do território transfronteiriço vão ter marca única

28 jun, 2017 - 16:00 • Olímpia Mairos

Está criada a primeira plataforma ibérica destinada a promover o turismo de qualidade e os produtos endógenos do território. Um instrumento que vai potenciar a economia familiar.
A+ / A-

Os produtos endógenos do território transfronteiriço do Douro vão ter uma marca única destinada à comercialização.

O projecto é do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Duero-Douro, abrange cerca de 200 entidades de ambos os lados da fronteira, num território que se estende desde o concelho de Vinhais, no distrito de Bragança, ao do Sabugal, no distrito da Guarda, do lado português. Do lado espanhol, a iniciativa estende-se desde a região de Zamora até à província de Salamanca.

“Esta marca visa agregar os produtos agroalimentares produzidos neste território ibérico e promover a sua comercialização, exportação e internacionalização junto do mercado externo, através de uma plataforma conjunta, de forma a potenciar a economia familiar”, revela o director geral do AECT Duero-Douro, José Luís Pascual.

Outro dos objectivos do projecto passa pela criação de uma central de reserva na Internet tendo em vista a promoção e reserva de espaços turísticos de “qualidade” nos territórios transfronteiriços próximos do Douro Internacional.

“O primeiro passo será a criação de uma Denominação de Origem Internacional para proteger os produtos agroalimentares produzidos no território abrangidos pelo AECT Duero-Douro”, realça. Produtos como queijos, carne, enchidos, amêndoa, azeite, mel e vinho estarão abrangidos por esta “nova forma” de comercialização, que junta Portugal e Espanha na mesma marca que une os territórios ibéricos junto ao Douro Internacional, reforçando a cooperação luso-espanhola.

“Trata-se de um projecto exemplar porque junta produtores arborícolas, operadores turísticos e outros agentes de desenvolvimento, quer portugueses, quer espanhóis”, explica Artur Nunes, presidente da Câmara de Miranda do Douro, um dos municípios envolvidos na iniciativa.

Já o vice-presidente da câmara de Mogadouro, Evaristo Neves, indica que “esta estratégia colaborativa e inovadora tem uma orientação para alavancar Pequenas e Medias Empresas, aumentando a sua visibilidade e o seu volume de exportações”.

Esta é a primeira plataforma ibérica destinada a promover o turismo de qualidade e os produtos endógenos do território.

O projecto é financiado em 1,6 milhões de euros provenientes do Programa Operativo de Cooperação Transfronteiriça Espanha Portugal (POCTEP).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.