O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Morais Sarmento. Costa optou por rede de emergência baseada em "torrezinhas que não funcionaram"

28 jun, 2017 - 09:20

“Não é verdade”, diz primeiro-ministro em reacção às declarações do social-democrata, na Renascença. Sarmento denuncia alegada substituição de um sistema de satélite por torres de comunicação.
A+ / A-
Morais Sarmento responsabiliza Costa por problemas no sistema de comunicações

Veja também:


O social-democrata Nuno Morais Sarmento levanta uma nova pista sobre a falha no sistema de comunicações de emergência e segurança, questionando uma decisão tomada por António Costa quando era ministro da Administração Interna.

Em causa está a alegada substituição da referenciação via satélite por torres de comunicações.

“Tanto quanto sei – não o afirmo, eu faço perguntas sobre se é verdade ou não – o então ministro António Costa entendeu que [a existência de um satélite para as comunicações] não era a solução certa e entendeu fazer umas torrezinhas, que é o que parece que aconteceu, que não funcionaram e que são a razão da desfuncionalidade”, afirmou Morais Sarmento no programa Falar Claro da Renascença.

“Temos de fazer perguntas e quem estiver do outro lado tem de responder”, justifica-se, considerando que nunca viu “António Costa tão nervoso como esta semana”.


Veja também:


O ex-ministro lembra que “o SIRESP ficou pronto pelo Governo de Durão Barroso e Santana Lopes [de que fez parte], mas a decisão vem a ser tomada por António Costa como ministro e é António Costa que redefine os parâmetros do SIRESP”.

“Por exemplo, o SIRESP na sua versão original tinha um satélite que permitia que houvesse uma rede de comunicação a funcionar”, que depois António Costa terá entendido substituir.

“E a pergunta é se, sim ou não, a decisão da adjudicação – que é tomada no Governo de José Sócrates pelo seu ministro responsável, de seu nome António Costa – essa reconfiguração teve, na troca do sistema de coordenação por satélite da circulação de informação por um conjunto de torres espalhadas pelo território, tem algo a ver com aquilo que agora falhou e se, sim ou não, isto aconteceu”, conclui.

O contrato celebrado entre o Ministério da Administração Interna e a SIRESP (a operadora que assegura a Rede Nacional de Emergência e Segurança) foi assinado em 2006.

"Não é verdade"

O gabinete do primeiro-ministro garante, em informação enviada à Renascença, que não é verdade que António Costa tenha alterado a versão original da proposta do SIRESP.

“Não é verdade. A solução que estava para adjudicação assentava, como assenta, na rede PT/MEO. Outras soluções tinham sido excluídas em fase anterior”, informa.

“Em 2016, foi aberto concurso por este Governo para equipar as carrinhas móveis da ANPC com ligação satélite”, destaca ainda.

Segundo a imprensa desta quarta-feira, o Tribunal de Contas aprovou o acordo assinado em 2006, mas alertou para o facto de poder vir a prejudicar o Estado, nos moldes em que estava desenhado.

O tribunal criticou ainda a ausência de concurso público e a falta de tempo para a apresentação de propostas, bem como mexidas no caderno de encargos.

Conclusões para todos os gostos

Segundo o relatório da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (SGMAI), conhecido na terça-feira, ocorreram falhas nas comunicações durante o incêndio de Pedrógão Grande, não tendo a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) actuado em tempo útil para evitar a tragédia que se verificou.

De acordo com o documento, a Protecção Civil deveria ter solicitado "em tempo útil" uma estação móvel do sistema de comunicações SIRESP quando verificou que "a situação estava a tornar-se excepcional" e mesmo antes “de alguma estação rádio fixa se encontrar em modo local".

Contudo, “das diversas estações da rede SIRESP que servem a região, duas delas que cobrem a zona afectada pelo incêndio entraram em modo local (LST)”, indica o relatório.

A empresa privada que gere o SIRESP garante, por seu lado, que o sistema “correspondeu e esteve à altura da complexidade do teatro das operações, assegurando as comunicações e a interoperabilidade das forças de emergência e segurança”.

Informação diferente tem o registo do Sistema de Apoio à Decisão Operacional, segundo o qual, no primeiro dia do incêndio de Pedrógão Grande, aconteceram pelo menos cinco situações graves de impossibilidade de contacto com o posto de comando, devido a falhas nas comunicações.

Nestes incêndios, que consumiram mais de 25 mil hectares de floresta, morreram 64 pessoas, 47 das quais na Estrada Nacional 236-1, e mais de 200 ficaram feridas.

Da água ao fogo. Porque não fechou a N236-1, a "estrada da morte"
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sacudir o Caos
    28 jun, 2017 V. F. Xira 16:03
    Não é bem a ineficácia da resposta aos incêndios e às suas vítimas, que faz Sarmento emergir das cinzas!. A cada dia que passa, o líder do PSD Passos Coelho desfaz-se cada vez mais e arrasta para a cova o que resta do sonho de Sá Carneiro. Os notáveis "Sociais-Democratas". entraram em pânico desde que Morais Sarmento predestinou em Março de 2016,  "Se o governo resistir e as eleições forem daqui a três anos, será com “enorme dificuldade” ser Passos Coelho o candidato do PSD". Compreende-se o mal-estar de algumas personalidades do PSD e o seu aparecimento na ânsia de protagonismo,e, sobretudo, de fazer ao actual governo a oposição que não existe.
  • lv
    28 jun, 2017 lx 14:59
    Pelo menos o Xarmento não vai em torrezinhas, gosta mais de uma armadura forte, tipo veado!
  • COSTA ILUSIONISTA
    28 jun, 2017 Lx 14:53
    Há que apurar responsabilidades criminais, civis e políticas. O inquérito criminal corre no MP, os danos morais e materiais causados ás famílias dos que morrerem devem ser assacados ao Estado e chamar o Costa, a Constânça e todos aqueles que andaram a fazer de conta. São estes os autores morais do que aconteceu. As responsabilidades políticas ninguém as vai assumir. O kamarada Costa diz que responsabildiade é da árvore que ardeu, a menina Constança diz que foi da trovoada, e os organismos públicos já vimos que vão andar a sacudir a água do capote de uns para os outros pois o assunto queima e bem...Uma tristeza de gente. O Jorge Coellho na tragédia de Entre os Rios demitiu-se depois de prestar o socorro. Agora o PCP e o BE nem dizem uma palavra sobre responsabilidades políticas pois foram domesticados pelo socialismo bacoco, bafiento e Salazarista do mestre da pantomina chamado Costa...
  • Antonio toto
    28 jun, 2017 Porto 14:50
    A pergunta que eu faço a este senhor, é a seguinte, foi consumidor de coca? Sim ou não.
  • Andrade
    28 jun, 2017 Loule 14:42
    Na área ardida qual a percentagem de eucaliptal? O incêndio começou nos eucaliptos? Pensem bem nos resultados, das questões anteriores em especial quem tem responsabilidade na comunicação social!
  • J. Simões
    28 jun, 2017 Lisboa 14:35
    Pelos vistos a "esquerdalha" juntou-se toda para defender o ACosta. Este acaba de dizer que dá a cara. Pois, quando já não sabe para onde fugir. A propósito: quando a dupla passos e portas lá estavam nunca houve uma descoordenação destas e com este número de mortos. É preciso ter memória.
  • josé f. lopes
    28 jun, 2017 quinta do conde 14:32
    Este Sr. Dr. de braços abertos deve querer abraçar alguém, ou então dar alguma ajudinha para Pedrógão, pois que o faça, não lhe fica mal.
  • Manuel Costa
    28 jun, 2017 Agueda 14:27
    Na tragédia de Pedrógão, onde morreu tanta gente e onde não faltam pessoas, nomeadamente bombeiros, a afirmar que houve falta de coordenação e de comunicações, o PR e o PM limitam- se a dizer que tudo foi bem feito e só o "azar" provocou a tragédia?!...Será que estes governantes acham que os portugueses são cegos, surdos e mudos!?...
  • Incredulo
    28 jun, 2017 LX 14:24
    Já alguém deve ter perguntado mas...Porque carga de água um sistema de comunicações de emergencia do Estado está entregue a uma empresa privada?????? Olhem tenho uma ideia...vamos privatizar o governo e a AR e entregar o poder a gestores... até estrangeiros!
  • COSTA PANTOMINEIRO
    28 jun, 2017 Lx 14:08
    O kamarada Kosta é um verdadeiro mestre da pantomina e agora a máscara caiu-lhe de vez.Será sempre associado a esta tragédia lamentável onde todos os osganismos públicos procuram sacudir vergonhosamente água do capote e o mesmo acontece ao Capoulas Santos, à menina Constança e ao kamarada Kosta...Uma vergonha colossal e políticos medíocres que temos....