A+ / A-

As crianças ciganas “têm direito a igualdade de oportunidades”

24 jun, 2017 - 11:14

Campanha lançada neste Dia Nacional das Comunidades Ciganas. Secretária de Estado diz que está na hora de acabar com a "discriminação sem sentido".
A+ / A-

Veja também:


As crianças de etnia cigana têm direito de realizar os seus sonhos. Esta é mensagem que o Governo pretende passar com a mais recente campanha contra a discriminação das pessoas ciganas.

A acção, feita em colaboração com a Rede Europeia Anti-Pobreza, inclui dois vídeos em que a apresentadora Catarina Furtado e o director-geral da Saúde, Francisco George, conversam com crianças daquela etnia sobre o que querem ser quando forem grandes.

Neste Dia Nacional das Comunidades Ciganas, a secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, sublinha em declarações à Renascença que todas as crianças têm direito a serem o que quiserem.

“Porque nós vivemos numa grande discriminação contra a comunidade cigana, precisamos de uma aproximação da comunidade cigana à comunidade maioritária e da comunidade maioritária à comunidade cigana, o movimento tem que ser feito de parte a parte, mas nós temos que fazer valer os direitos das crianças ciganas, através da educação, de uma habitação condigna, por isso a nossa campanha foca-se nas crianças com esta mensagem muito simples: as crianças ciganas, tal como as outras crianças portuguesas, têm direito a igualdade de oportunidades e a ser aquilo que quiserem ser”, afirma Catarina Marcelino.

A secretária de Estado da Igualdade sublinha que, de acordo com a informação disponível, a comunidade cigana é aquela que que apresenta maior registo de discriminação em Portugal.

“Nunca nos podemos esquecer que estamos a falar de apenas cerca de 40 mil pessoas em 11 milhões. Chegou o momento de nós termos aqui um movimento conjunto com a comunidade cigana e é muito importante salientar esse aspecto: a comunidade cigana tem que fazer parte da solução, trabalhar em conjunto contra esta discriminação que não faz sentido”, defende Catarina Marcelino.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ricardo
    27 set, 2017 lisboa 12:21
    Coitadinhos dos ciganos...não trabalham porque não precisam, (dão-lhes €€€ para não fazerem nada) dão-lhes casas e fazem dessas casas, que o contribuinte comum paga, barracas (destroem cx correio, campainhas, portas, paredes, iluminação, enfim prédios novos que ao fim de 5 anos parecem ter 80) vão para os hospitais, não pagam nada e é tudo deles (até chegam a acampar à porta) transportes publicos gratuitos (como é de calcular não compram passe social) conseguem tirar a carta de condução sem saber ler e escrever, as criancinhas não vão à escola (quando a escolaridade é obrigatória) vendem tudo e mais alguma coisa contrafeito por essas feiras fora, não passam facturas,não fazem irs/irc , fogem ao fisco tranquilamente, ostentam bons carros, Audi, Bmw etc.. Eu que trabalho para auferir pouco mais do ordenado min., tenho de pagar renda 350€, tenho de comprar passe social 50,05€, agua luz e gaz mais 100€, Tv e tlm 50€ se o meu filho deixar de ir à escola, a policia da "escola segura" bate-me à porta. se eu não poder comprar o material escolar (como trabalho o meu filho não tem direito a SASE) logo leva faltas de material etc..se não lhe comprar o passe social vai a pé para a escola (7km), nos hospitais tenho de pagar a taxa moderadora (18€) e aguardar pela minha vez...podia dar mais ex mas já chega...com isto tudo eles é que são discriminados? Eles são uns preiligiados e sabem-no, por isso é que se acomodam e querem continuar à margem da sociedade. Quem me dera ser cigano!!!
  • ricardo
    27 set, 2017 lisboa 12:21
    Coitadinhos dos ciganos...não trabalham porque não precisam, (dão-lhes €€€ para não fazerem nada) dão-lhes casas e fazem dessas casas, que o contribuinte comum paga, barracas (destroem cx correio, campainhas, portas, paredes, iluminação, enfim prédios novos que ao fim de 5 anos parecem ter 80) vão para os hospitais, não pagam nada e é tudo deles (até chegam a acampar à porta) transportes publicos gratuitos (como é de calcular não compram passe social) conseguem tirar a carta de condução sem saber ler e escrever, as criancinhas não vão à escola (quando a escolaridade é obrigatória) vendem tudo e mais alguma coisa contrafeito por essas feiras fora, não passam facturas,não fazem irs/irc , fogem ao fisco tranquilamente, ostentam bons carros, Audi, Bmw etc.. Eu que trabalho para auferir pouco mais do ordenado min., tenho de pagar renda 350€, tenho de comprar passe social 50,05€, agua luz e gaz mais 100€, Tv e tlm 50€ se o meu filho deixar de ir à escola, a policia da "escola segura" bate-me à porta. se eu não poder comprar o material escolar (como trabalho o meu filho não tem direito a SASE) logo leva faltas de material etc..se não lhe comprar o passe social vai a pé para a escola (7km), nos hospitais tenho de pagar a taxa moderadora (18€) e aguardar pela minha vez...podia dar mais ex mas já chega...com isto tudo eles é que são discriminados? Eles são uns preiligiados e sabem-no, por isso é que se acomodam e querem continuar à margem da sociedade. Quem me dera ser cigano!!!
  • Dinis
    19 ago, 2017 Porto 11:41
    E os ciganos aproveitam as oportunidades? Como é que eles se comportam na escola?
  • Toninho Marreco
    25 jun, 2017 Ponte do Lima 23:27
    Esta é que eu não entendo . Se são descriminados é de forma POSITIVA E PORTANTO MUITO BENEFICIENTE PARA ELES . Ora vejamos . Casa de graça. Luz de graça . Água de graça . Não precisam de carta de condução . Não precisam de seguro para os carros. Não precisam de selos para os carros . Estão isentos da licença de uso de arma .Dinheiro ao fim do mes sem NADA FAZER . TODOS lhes teem um medinho - eu incluido - que dá dó . Se houvesse uma escola onde tirar o curso de cigano eu ia tirar o curso porque são SÓ BENEFÍCIOS
  • Luis
    24 jun, 2017 Lisboa 19:43
    De quando em quando esta história dos "coitadinhos" dos ciganos vem à berra...não sei a quem aproveita mas é uma coisa recorrente. A Senhora Secretária de Estado demonstra que está mal informada e pouco sabe sobre esta comunidade que se recusa à centenas de anos em integrar-se e insiste na ladainha de nos querer a todos nós incluindo todas a dezenas de outras comunidades que existem em Portugal e que fazem elas sim o esforço de respeitar os modos, costumes e a lei e pelos vistos pretende fazer-nos a nós todos passara por ignorantes, esta Senhora Secretária de Estado não conhece de todo o problema da discriminação que os ciganos pretendem fazer crer que são alvos, quando na realidade, fazem gala ao não se quererem inserir em qualquer comunidade quer aqui em Portugal, quer em qualquer outro País... parece anedótica esta conjectura apresentada por quem supostamente tem obrigação de saber do que fala, demonstra total e absoluto desconhecimento da realidade, os ciganos não querem de maneira nenhuma integrar-se e o esforço feito pelas restantes comunidades portuguesas e estrangeiras ao longo dos anos tem sido de uma paciência e capacidade de encaixe a todos níveis.
  • FR
    24 jun, 2017 Portugal 15:10
    Não existe discriminação hoje em dia. Tudo se resume a uma coisa: Tens dinheiro ou não tens.
  • Jorge Santos
    24 jun, 2017 Alcobaça 13:15
    Ok... As crianças ciganas tem os mesmos direitos que as outras crianças... Mas o que fazer aos pais e patriarcas das famílias ciganas que negam o direito de igualdade e de oportunidade para ter uma vida própria em adulto às meninas ciganas?
  • mendes
    24 jun, 2017 braga 13:00
    bela reportagem mas nao mostrou nenhuma a dizer que queria ser mulher de limpeza ou pedreiro porque sera -outra pergunta como e que querem fazer vao tirar as criancas aos pais para as educarem nao basta ja os apoios que o estado lhes dar para eles andarem por ai a roubar e no contrabando os ciganos sao ciganos porque querem benefeciar do estatuto de serem ciganos um dia era eu cobrador dos stcp 3 ciganos entraram no troleicarro em gondomar e comecaram a fumar disse lhe para apagarem os cigarros porque nao era permitido fumar a resposta foi que nao apagavam os cigarros porque eram ciganos e para os ciganos nao havia leis-paramos o troleicarro em frente a esquadra da policia e a policia tirou os do trolei vim ao bolhao e na viagem a seguir quando chegamos ao alto de soutelo estava la na paragem um grupo de ciganos e ciganas a minha espera entraram no carro para me matarem e eu tive que fugir e refugiar me numa papelaria ate que chegou a policia mas quando a policia chegou eles ja nao estavam la lembro me tambem de outra vez em que numa discurssao entre um colega meu tambem cobrador com uns ciganos em que o meu colega lhes disse voces a unica coisa que sabem fazer e roubar e um deles lhes respondeu que roubar era uma profissao que nem todos sabiam fazer porque trabalhar qualquer um sabe mas roubar so alguns sabem conheco um casal de ciganos a quem o estado lhes paga a renda da casa e o ris e eles andam a vender nas feiras e teem 2 carros sera isso justo
  • Rodrigo Silva
    24 jun, 2017 Vila Nova de Famalicão 12:05
    Concordo plenamente com o que diz a Srª Catarina Marcelino, o problema é que eles não querem trabalhar, como tal não contribuem para a sociedade e alem dos mais eles é que não querem integrarem-se na nossa sociedade, pelo facto de serem racistas.
  • Antonio
    24 jun, 2017 Pousada saramagos 11:33
    Quando falam de direitos e de igualdade de oportunidades convém não esquecer da componente obrigações. É que também existem muitas crianças que não são ciganas e padecem dos mesmos males e das mesmas desigualdades e não há associação que os defenda ou reclame os seus direitos, nem sei porquê