|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Exame de Português. Professores esperam que se apure toda a verdade sobre fuga de informação

24 jun, 2017 - 00:38

Gravação áudio circulou nas redes sociais revelando os principais temas que seriam abordados na prova, dois dias antes da realização da mesma. Ministério Público está a investigar o caso.

A+ / A-

A Associação de Professores de Português espera que a verdade seja conhecida. Em causa uma alegada fuga de informação sobre o conteúdo do exame nacional de Português do 12º ano.

O Ministério Público está a investigar o caso depois de a Procuradoria-Geral da República ter confirmado a recepção de uma participação do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) que deu origem a um inquérito.

Edviges Ferreira, presidente da associação de professores de Português, disse à Renascença que espera que a verdade seja apurada:

“Acho muito bem que haja um inquérito feito pela Procuradoria-Geral da República e nem se devia esperar outra coisa. Foram 74 mil alunos a fazer o exame de português, os professores estão já a corrigir os exames mas a procuradoria fará as suas investigações e nós esperamos que a verdade venha a público”, referiu.

O jornal Expresso teve acesso a um registo áudio, que circulou nas redes sociais alguns dias antes dos exames, que revelava o que ia sair na prova - o que se confirmou.

Segundo a gravação, feita por uma aluna que não se identifica, a fuga de informação terá partido da "presidente de um sindicato de professores".

"Ó malta, falei com uma amiga minha cuja explicadora é presidente do sindicato de professores, uma comuna, e diz que ela precisa mesmo, mesmo, mesmo e só de estudar Alberto Caeiro e contos e poesia do século XX. Ela sabe todos os anos o que sai e este ano inclusive. E pediu para ela treinar também uma composição sobre a importância da memória...", ouve-se na gravação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Car.
    24 jun, 2017 Cantanhede 05:47
    Todos os anos é isto. Saber toda a verdade, como se isso resolvesse a injustiça daqueles alunos que não tiveram acesso à fraude , já não basta as altas notas que são dadas nos privados.