O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

PSD quer comissão técnica independente para apurar o que se passou

20 jun, 2017 - 18:15

Teresa Leal Coelho explica que a proposta do PSD passa pela criação de uma comissão de técnicos “independentes de qualquer poder político” e especializados nas diversas matérias que sejam relevantes para o “apuramento da verdade”.
A+ / A-

Veja também:


O PSD pediu esta terça-feira a constituição de uma comissão técnica independente para apurar com detalhe o que se passou no incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande e que provocou pelo menos 64 mortos.

A vice-presidente do PSD Teresa Leal Coelho, que falava aos jornalistas no final da reunião da Comissão Política Nacional na sede do partido, anunciou que os sociais-democratas vão desafiar os outros partidos a juntar-se nesta proposta.

“Esperemos que todos os partidos se juntem a nós para obtermos respostas irrefutáveis”, afirmou, acrescentando que se trataria de uma comissão de peritos e não parlamentar, que seria constituída apenas por técnicos e funcionaria de forma independente do Governo e da administração pública.

Teresa Leal Coelho explicou que a proposta do PSD, que iniciará já esta terça-feira as conversações com os restantes partidos, passa pela criação de uma comissão de técnicos “independentes de qualquer poder político” e especializados nas diversas matérias que sejam relevantes para o “apuramento da verdade”.

“Essa comissão poder-nos-á dar não só estas conclusões como elementos necessários para prevenir o futuro”, afirmou, sublinhando que Portugal já viveu outros incêndios terríveis, “mas nenhum com estas consequências avassaladoras”.

“Nestas condições de excepcionalidade temos de fazer o apuramento cabal das responsabilidades”, acrescentou, dizendo que o partido está a acompanhar a situação no terreno “com atenção e apreensão”.

Questionada sobre que perguntas querem os sociais-democratas ver esclarecidas por esta comissão, Teresa Leal Coelho apontou, por exemplo, as três que foram esta terça-feira colocadas pelo primeiro-ministro, António Costa, e que diz terem sido já colocadas na segunda-feira pelo partido na visita que fez à Autoridade Nacional para a Protecção Civil (ANPC), mas também outras com base em informações que o PSD recebe do terreno, que não detalhou.

Num despacho, António Costa pediu esclarecimentos urgentes sobre a ocorrência de eventuais circunstâncias meteorológicas excepcionais no sábado, sobre o funcionamento da rede de SIRESP e sobre os motivos da ausência de encerramento da estrada nacional 236-I, onde ocorreu um elevado número de mortes.

“As questões são muitas, mas remetemos essa matéria para a comissão”, afirmou Teresa Leal Coelho, considerando que “seria prematuro concretizar”.

Para além das responsabilidades técnicas, Teresa Leal Coelho foi questionada sobre as responsabilidades políticas desta tragédia, depois de, na segunda-feira, em declarações à SIC-Notícias o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, ter anunciado a formação de 20 novas equipas de sapadores florestais e o reequipamento de outras 44, dizendo que nos últimos anos tal não tinha sido feito.

“O PSD não tem feito política com estas matérias e vamos continuar com este sentido de responsabilidades, mas sentimo-nos chocados, revoltados com aproveitamento político do ministro Capoulas Santos e forma como tentou desresponsabilizar-se e responsabilizar a doutora Assunção Cristas [ministra da Agricultura do executivo PSD/CDS-PP] e o anterior Governo, só nos merecem repúdio essas declarações”, afirmou.

A vice-presidente do PSD deixou ainda “uma palavra de ânimo e apoio” às forças que combatem o incêndio no terreno e aos que perderam familiares, amigos e património.

“É um momento avassalador para Portugal, para todos nós”, disse, considerando essencial que se aposte na prevenção “para evitar consequências ainda mais graves”.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 150 feridos, segundo um balanço divulgado hoje.

Este incêndio já consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Os Pafosos
    21 jun, 2017 lis 14:40
    Andam desejosos de se servirem da desgraça de uns, para seu aproveitamento político! Ainda ontem as declarações num canal televisivo em direto, de um alegado deputado PSD da dita comissão das florestas, que se deslocou à zona dos incêndios para ser entrevistado, foram vergonhosas e de uma infantilidade que só evidenciaram o total desconhecimento sobre a matéria! Às tantas, o que era preciso era produzir retórica para ganhar direito de antena! Maiores manipuladores não existem!...Não se conformam com a queda abrupta nas sondagens e há que subtilmente ganhar terreno, custe o que custar! É a hipocrisia total!
  • Querem ver!
    21 jun, 2017 port 13:55
    Que a dita trovoada seca foi o tal diabo de que o líder desta sra estava à espera que aparecesse?...vão brincar com os meninos e rapazinhos da vossa rua! A credibilidade desta gente não pode assentar na constante manipulação que fazem, para se aguentarem em lideranças estafadas que já deram provas do que (não) são capazes!
  • começaram!
    21 jun, 2017 lx 13:50
    a manipular as mentes dos incautos! Como vêem que os incêndios já estão na fase de rescaldo, há que ganhar terreno à custa da desgraça de alguns, para verem se sobem nas sondagens!...Esta sra não é a candidata forçada do PSD à Camara de Lisboa, porque ninguém aceitou essa tarefa?...
  • independentes?
    21 jun, 2017 lis 13:44
    do PSD?...Deixem-se de subtilezas atentatórias da inteligência! Também queremos uma comissão independente para analisar o que foi feito durante 4 anos e meio pelo governo PSD/CDS sobre a prevenção do incêndios! Destruiram e esvaziaram tudo o que era serviços públicos e agora vêm fazer-se de anjinhos sem asas!...
  • DR XICO
    21 jun, 2017 Lisboa 12:19
    A VELHA ABUTRE chegou. Onde andou esta senhora e outros politicos que durante 4 anos deixaram o país num caos na miséria sem 1€ para a limpeza das florestas. Não se metam com o povo que sofre ABUTRES
  • 20 jun, 2017 aldeia 21:34
    Pergunte ao coelho o que é que foi feito durante os 4 anos do governo psd/cds para prevenir incêncios e catástrofes destas!......Embora.....seja mais que tempo de os governantes,arregaçarem as mangas e começarem a trabalhar sobre o assunto.
  • isidoro foito
    20 jun, 2017 elvas 19:16
    já os ordinários do PSD começam com as politiquices e as suas comissõezinhas de inquérito , não sabem fazer mais nada, foi o PSD nos governos de cavaco e sliva que começou a destruir as matas , á grande Miguel sousa tavares não tem pápas na lingua
  • Pedro
    20 jun, 2017 Flores 18:54
    Simples, os cortes da PAF.