O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Se a floresta fosse rentável, haveria menos incêndios?

20 jun, 2017 - 11:14 • José Pedro Frazão , Marta Grosso

“É bom não esquecer que 80% da área que arde num ano consome-se em 10/12 dias”, diz o arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos. Mas “as pessoas não vão gastar dinheiro numa operação que lhes pode custar caro”, diz o investigador Pedro Ochôa de Carvalho.
A+ / A-

Todos os anos é a mesma coisa e há anos em que é pior ainda. E, depois da tragédia, vêm as promessas, os planos, os decretos. Nada resulta. Porquê? Os especialistas Henrique Pereira dos Santos e Pedro Ochôa de Carvalho têm algumas respostas.

“A questão central é se o proprietário tira ou não rendimento do seu terreno. Se tira rendimento, vai gerir. Se não, vai abandonar”, afirmou, num debate na tarde da Renascença (com reposição na Edição da Noite), esta segunda-feira, o arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos.

“Os governos contam muito menos do que aquilo que pensam” e não conseguem fazer nada de “uma economia que não funciona, como é a de grande parte dos espaços florestais”, afirma.

Para os proprietários, “é irrelevante quem dá o parecer para fazer uma florestação – o Estado central ou a autarquia. Ele só faz reflorestação se isso lhe der rendimento”, acrescenta.

Por isso, reforça, “a questão central, antes de todas as outras, é a do rendimento do território. E, de facto, temos uma grande parte do nosso território muito pouco competitivo”, seja no que respeita à floresta clássica, à resinagem ou à pastorícia.

“Uma reforma florestal que nunca, em momento algum, se orienta para a discussão da competitividade do sector” e não resolve “os problemas no mercado” está condenada ao insucesso.

Quem deve fazer a vigilância das florestas?

“O resineiro tem que ir à floresta de três em três semanas para manter o acesso limpo. Mas só pode trabalhar oito meses por ano. É mais inteligente criar uma equipa de sapadores ou um mecanismo de suporte a esta actividade económica, em que o Estado assuma quatro meses de ordenado, mesmo que estejam a fazer trabalho de prevenção e fogo?”, questiona o arquitecto.

Na opinião de Henrique Pereira dos Santos, “os sapadores florestais podem ser muito úteis, mas cada vez que se cria uma equipa de sapadores florestais a única coisa que se discute é quanto custa e quem paga. Ninguém discute qual é o retorno que ela traz. Sem retorno, tarde ou cedo, não vai haver dinheiro para pagar”.

“Uma equipa de sapadores gere, em média, 40 hectares quando precisamos de gerir seis milhões”, adverte ainda.

Mas a prevenção dos incêndios tem também de passar pelas populações, “que têm de estar cientes dos riscos que correm”, refere o investigador do Instituto Superior de Agronomia Pedro Ochôa de Carvalho.

Levanta-se, mais uma vez, a questão do retorno financeiro. “Não basta haver um decreto-lei que diz que têm que limpar 50 metros à volta. As pessoas não vão gastar dinheiro a desempenhar uma operação que lhes pode custar caro”, afirma o especialista do Centro de Estudos Florestais do ISA.

Na opinião de Pedro Ochôa de Carvalho, “não existe um envolvimento conveniente das populações”.

“Existem diversos interesses económicos”, mas não há “uma preocupação constante. Existe um empurrar com a barriga quando se procura atribuir responsabilidades para este ou aquele actor político”, critica.

Basta uma dúzia de dias para perder grande parte da floresta

Para Henrique Pereira dos Santos, existe uma “percepção muito perigosa” entre a população sobre a sua segurança em caso de incêndio.

As pessoas acham “que a coisa se resolve com os meios aéreos ou que, chegando com carros de bombeiros, a casa não arde. Se tal é verdade em mais de 90% dos dias do ano, é bom não esquecer que 80% da área que arde num ano consome-se em 10/12 dias”.

“Nos outros 350 não há problema de maior”, sublinha. Mas “essa falta de sensação de segurança leva as pessoas a descurarem naturalmente algumas das acções que deveriam ter”.

Pereira dos Santos e Ochôa de Carvalho defendem uma estratégia de prevenção que não descure a rentabilidade dos recursos florestais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Peñascoso
    05 ago, 2017 00:18
    Manuel Peñascoso Ago 4, 2017 at 23:52 Muito se fala e escreve em limpar a floresta! Alguém tem a noção de quanto custaria a limpeza de todas as florestas de Portugal continental? A floresta não se limpa, gere-se!
  • Vitor Vicente
    20 jun, 2017 Agueda 12:27
    Retiraram os guardas florestais do terreno, que sempre mantinham um papel ativo de prevenção e protecção, veja-se o abandono/degradação das casas florestais por este país fora. Tem vindo ao longo dos anos a esvaziar o conteúdo dos serviços florestais, de gente conhecedora do terreno...o resultado está à vista....infelizmente.
  • otário cá da quinta
    20 jun, 2017 coimbra 12:14
    Ultimamente não tenho visto COELHOS BRAVOS. Será que o COELHO tenha mesmo trazido o DIABO e ande para aí a fazer das dele ? Mas já não se vai safar, lá na UE já disseram que estas despesas com os fogos não vão contar para o DÉFICE. BEM FEITO que é para o DIABO ESTAR CALADINHO E QUIETO. Bem, não conta agora para o défice, mas ele vai aparecer em qualquer altura, ou não ?
  • jose a. simoes
    20 jun, 2017 loures 12:06
    Como é do conhecimento geral os catedráticos aparecem todos no pequeno ecran, para deitar larachas e iludir mais uma vez as populações .Caros amigos passem a ação no terreno.
  • AM
    20 jun, 2017 Lisboa 11:47
    Ainda não está feito o trabalho, já querem o dinheiro no bolso? Que grandes competências de evidencias... Deve ser essas competencias que se aprendem lá nas firmas novas de crescimento rápido, e de falência rápida... Pois, vão ao cabeleireiro, vem de lá com ideias novas, e no dia seguinte é só diretrizes novas...