O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Haverá menos de 300 militantes do Estado Islâmico em Mossul

19 jun, 2017 - 19:58

Combate faz-se casa a casa no centro histórico da segunda maior cidade iraquiana.
A+ / A-

As forças armadas do Iraque estimam que existem apenas cerca de 300 militantes do Estado Islâmico na cidade de Mossul, dos 6.000 que defendiam a cidade há uma questão de meses.

A campanha para libertar a segunda maior cidade do Iraque entrou no domingo na fase final, com o assalto ao centro histórico, o último bastião dos jihadistas na cidade.

Mas o número diminuto de combatentes inimigos não torna os combates mais fáceis. A luta no centro histórico, com ruas e vielas muito estreitas, faz-se casa a casa e o Estado Islâmico procura tirar proveito da presença de dezenas de milhares de civis, que usa como escudos humanos.

Há inclusivamente relatos de civis mortos por atiradores furtivos jihadistas quando tentam escapar das zonas sob seu controlo.

Organizações humanitárias estão preocupadas com os efeitos dos combates para os civis, com a Save the Children a afirmar que “estima-se em 50 mil o número de crianças em perigo grave à medida que os combates em Mossul entram naquilo que deverá ser a sua fase mais mortífera”, em declarações citadas pela Reuters.

A libertação de Mossul, que os militares iraquianos – apoiados por uma coligação internacional e por milícias curdas, xiitas e de outras minorias religiosas e étnicas da região – esperam estar iminente simboliza, na prática, o final de qualquer pretensão territorial do grupo no Iraque. Foi precisamente a queda desta cidade que catapultou o Estado Islâmico para a atenção do mundo em 2014 e foi numa mesquita dessa cidade que o então líder Abu Bakr al-Baghdadi – que a Rússia alega ter conseguido matar na passada semana durante um ataque aéreo – declarou a formação de um califado, um estado territorial governado pela lei islâmica que chegou a ocupar um terço do Iraque e da Síria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • tugatento
    19 jun, 2017 Amarante 21:03
    Esmaguem-nos como aos ratos. Que nao fique um único vivo.