O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

O que é trovoada seca, que terá provocado o fogo de Pedrógão Grande?

18 jun, 2017 - 12:34

As autoridades dizem estar certos de que o incêndio de Pedrógão Grande foi causado por trovoada seca. Saiba que fenómeno é esse, que pode repetir-se este domingo.
A+ / A-
Pedrógão Grande. Governo decreta três dias de luto nacional

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê que se repita o fenómeno de trovoada seca que no sábado terá dado origem ao terrível incêndio em Pedrógão Grande, que matou já 58 pessoas e deixou mais de meia centena feridos, alguns com gravidade.

A meteorologista Maria João Frada explica à Renascença que este fenómeno ocorre quando se formam nuvens de desenvolvimento vertical. “Baixos níveis de humidade e temperaturas elevadas podem levar a descargas eléctricas das nuvens de desenvolvimento vertical, mas sem precipitação.”

“A precipitação que eventualmente possa cair evapora-se antes de chegar ao solo”, descreve, dando lugar à trovoada seca que é uma ameaça particularmente grave em termos de incêndios.

As autoridades estão convencidas que foi precisamente um episódio de trovoada seca que deu origem ao incêndio de Pedrógão Grande e a Polícia Judiciária já descartou a possibilidade de ter havido mão criminosa, tendo mesmo localizado a árvore que foi atingida pelo raio.

Segundo a especialista do IPMA, a previsão para este domingo continua a ser de risco, com temperaturas altas e a possibilidade de repetição de trovoada seca em alguns pontos do país.

“Para hoje [domingo] vamos continuar com situação de tempo quente, temperaturas máximas bastante elevadas, mínimas também elevadas, na generalidade superiores 20 graus. Há ainda condições hoje e amanhã para aguaceiros e trovoadas, sobretudo no interior e em especial na parte da tarde e não podemos excluir que haja novamente trovada seca”, diz.

Lisboa, Santarém, Setúbal e Bragança estão sob aviso vermelho até às 21h00 deste domingo, uma situação de “risco extremo” para estes distritos, devido à previsão de tempo quente, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera. O resto do país está sob aviso laranja, excepto o distrito de Faro, onde o risco é ligeiramente menor.

O número de pessoas que morreram no incêndio florestal que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, aumentou para 58, segundo o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes. Há a registar 54 feridos, dos quais oito são bombeiros.

As últimas informações dão conta de 150 famílias desalojadas.

Papa solidário com “querido povo português” por causa de Pedrógão Grande
Pedrógão Grande. Famílias inteiras morreram no interior de automóveis

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anonimo
    19 jun, 2017 Assembleia da República 13:30
    Causa do fogo: Trovoada seca Inicio do fogo: 14h00 Inicio da trovoada seca: 18h00 O povo já comeu mais esta, a questão das horas é só um pormenor.
  • rosinda
    19 jun, 2017 palmela 12:19
    A igreja nao pode estar a pedir ao povo que esqueca o que aconteceu em pedrogao grande assim de imediato! Ao longo dos anos todos os povos se foram movimentando pelo facto de constituirem familia! noutros locais existem filhos e netos de pedrogao grande!
  • Bela
    18 jun, 2017 Coimbra 22:25
    Para certos partidos que andam na Assembleia da República, só os preocupa os moradores dos arredores de Lisboa e da margem Sul, porque são os únicos que votam neles. O resto não existe!
  • Carlos Silva
    18 jun, 2017 Benavente 17:08
    Tem razão.Para eles PCP e BLOCO as pessoas são números para trabalhar em guerras de propaganda e para greves.Já agora lembrei-me de uma coisa.Onde estes partidos foram sempre eleitos para autarquias, o ordemanento do território é caótico.E vejam perto de Lisboa, em Benavente e Porto Alto, aquilo parece algo uma mesa de xadrez.Uma casa, uma empresa.Um armazém logo uma série de casas ou bairros.Empresas algumas que armazenam produtos inflamaveis.O que está ali são algumas bombas .Se um dia há ali um incêndio o perigo espreita e as bombas podem rebentar.Para o PCP e BLOCO o que foi preciso foi votos o resto é para ver.Pessoas para eles são números e não pessoas para acautelar as suas vidas e bem estar. Isto é para ver a sensibilidade deles e suas politicas.
  • MAMM
    18 jun, 2017 Lisboa 17:01
    Deixe lá a política fora disto, que não é para aqui chamada.
  • joaquim
    18 jun, 2017 Guimarães 16:28
    Este acontecimento foi verdadeiramente horroroso. Não só para as vítimas como também para os familiares que ficam cá a sofrer dolorosamente por aqueles que partiram. É muito difícil entender que, para quem é crente, quando é humanamente impossível salvar vidas humanas, Deus, a quem nada é impossível, não actue para impedir semelhante tragédia; não só em Portugal mas também em qualquer outra parte do mundo. Meditemos sobre isto, incluíndo o clero e o próprio Papa Francisco.
  • Maria
    18 jun, 2017 Porto 13:45
    Meu Deus, será que este País não sabe o que é "Trovoada Seca"? É grave e é triste. De qualquer modo, as pessoas das aldeias sabem-no com certeza. Só que hoje em dia respeita-se pouco a Mãe Natureza... Tudo isto é muito triste e doloroso. Só estranho é que de PCP e BE nem uma palavra... será que eles não têm sentimentos?