O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Lesados do BES devem começar a receber dinheiro em Setembro

13 jun, 2017 - 19:47 • Liliana Monteiro

Mas cerca de mil antigos clientes podem receber apenas a primeira tranche, se não reclamarem até aos primeiros dias de Julho os créditos junto de outras entidades que também pode ser processadas.
A+ / A-

Os lesados do BES deverão receber a primeira tranche depois das férias de Verão, em Setembro, disse à Renascença o advogado Nuno Vieira, que representa 800 antigos clientes do banco.

O Parlamento discute e deverá aprovar, já no próximo mês, o fundo de indemnização aos lesados do papel comercial. É o primeiro passo do processo necessário para que o dinheiro comece, depois, a chegar aos bolsos dos lesados.

No entanto, cerca de metade dos lesados, cerca de mil pessoas, podem não receber mais do que a primeira tranche.

Tudo porque reclamaram apenas os créditos do banco, mas esqueceram-se de um conjunto de outras entidades que também podem ser processadas.

E isso tem de ser feito, no máximo, até 8 Julho, para não deixar passar o prazo de prescrição, explica o advogado Nuno Vieira.

“Uma vez que a lei diz que o prazo começa a contar desde o conhecimento da situação, nós achamos que o conhecimento da situação ocorreu no dia 3 de Agosto de 2014, quando o BES caiu. Contando 3 de Agosto até à data de 2017, isso leva-nos a crer que no dia 3 ou 4 de Agosto de 2017 passam os três anos e os direitos podem prescrever. E é esta responsabilidade que nós estamos aqui a falar”, refere o advogado.

Os direitos judiciais ainda podem ser assegurados até 7 de Julho, mas sem isso os clientes não terão a garantia de que receberão até 75% do valor investido e perdido, mas apenas cerca de 30%.

O mecanismo de compensação propõe que os lesados recuperem 75% do valor investido, num máximo de 250 mil euros, se tiverem aplicações até 500 mil euros. Já acima desse valor, irão recuperar 50% do valor investido.

A intenção é fazer o pagamento de forma faseada, com a primeira parcela (cerca de 30% do total) a ser paga já este ano, sendo o restante valor reembolsado em 2018 e 2019 (recebendo os clientes uma garantia estatal).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rosinda
    14 jun, 2017 palmela 10:12
    E onde vao buscar o dinheiro para pagar?
  • joao leitao
    14 jun, 2017 lisboa 09:31
    Uma pergunta, se me puderem responder, nas carteiras de titulos (acoes) continuam a aparecer as quantidades de acoes e o ultimo valor. Qual o significado disto, visto que nas do banif aparece tudo a zeros ?
  • xico
    14 jun, 2017 lixa 09:01
    E.......nunca ninguém é preso!.......Só mesmo neste país!.......