|
A+ / A-

Abrir aeroporto civil no Montijo custará quase 400 milhões às Forças Armadas

07 jun, 2017 - 15:38

Estudo foi entregue ao Governo no final de Abril e discutido esta quarta-feira, à porta fechada, na primeira parte da audição parlamentar ao ministro da Defesa.

A+ / A-

Veja também:


A saída das missões da Força Aérea da base do Montijo e a transferência para outras bases custará 372 milhões de euros, mais 21,7 milhões de euros com custos relacionados com o Exército e a Marinha, prevê o ramo.

Fontes ligadas ao processo disseram à Lusa que o estudo realizado pela FAP (Força Aérea Portuguesa) sobre as implicações da construção de um aeroporto complementar à Portela na base militar do Montijo prevê um custo de 73 milhões de euros com a reactivação de Tancos, 31 milhões de euros com a transferência de parte da operação para a base de Sintra e cinco milhões de euros para a base de Beja.

A estimativa inclui uma despesa de 20 milhões de euros para a desativação do dispositivo na base n.º 6, Montijo, incluindo 6,5 milhões de euros para obras de estruturas da NATO ali sediadas.

O estudo, que foi entregue ao Governo no final de Abril e discutido esta quarta-feira, à porta fechada, na primeira parte da audição parlamentar ao ministro da Defesa, Azeredo Lopes, estima ainda 242 milhões de euros com custos relacionados com a deslocalização do Campo de Tiro de Alcochete, somando no total 372 milhões de euros.

A este valor, o relatório da FAP prevê que a Marinha precisará de 14 milhões de euros para deslocalizar os seus helicópteros da base do Montijo para outra base e que o Exército precisará de 7,7 milhões de euros para retirar o efectivo actualmente em Tancos.

No estudo, segundo as mesmas fontes, a FAP considera previsível que a construção de um aeroporto civil complementar ao da Portela no Montijo implique um rápido aumento do tráfego aéreo, tornando inviável manter a operação no Montijo, tal como está, a partir de 2023/24.

O governo solicitou em Fevereiro à FAP um estudo para avaliar todos os impactos da coexistência das operações civis e militares na Base Aérea n.º 6, no Montijo, a médio e longo prazo.

Em declarações à Lusa, em Janeiro, o chefe do Estado Maior da Força Aérea, Manuel Rolo, já tinha advertido que a "coabitação" civil e militar na base do Montijo só será viável enquanto o número de movimentos for reduzido.

"Queremos acreditar que parte do nosso dispositivo poderia coabitar com a actividade civil, enquanto o número de movimentos for reduzido. Se o número de movimentos aumentar de forma exponencial essa capacitação é capaz de estar de facto comprometida", admitiu na altura o general Manuel Rolo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.