O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Pode o golfe ser uma terapia na doença mental?

07 jun, 2017 - 09:16 • Ângela Roque

Equipa tem a primeira aula no Centro Nacional de Formação do Jamor, acompanhados pelo professor voluntário Eduardo Horta.
A+ / A-

A Fundação S. João de Deus decidiu apostar no golfe para potenciar a recuperação de pessoas com deficiência mental e combater o estigma que as rodeia. A equipa com doentes assistidos na Casa de Saúde do Telhal vai começar a ter aulas a partir desta quarta-feira.

O presidente da Fundação S. João de Deus acredita que o golfe é um desporto que vai trazer muitos benefícios para quem sofre de debilidade mental. É com esse objectivo que alguns doentes que são acompanhados na Casa de Saúde do Telhal, em Sintra, vão começar a ter aulas no complexo desportivo do Jamor.

À Renascença Rui Amaral sublinha a importância que a iniciativa também pode vir a ter no combate ao estigma que ainda está associado à doença mental. “O golfe não é um desporto fácil, é exigente em termos de requisitos sensoriais e técnicos, e é muito interessante ver pessoas que nós associamos a um registo de incapacidade e ineficácia a fazerem tarefas melhor do que nós”.

“Como me dizia o director do campo do Jamor ‘ainda vamos ter aqui pessoas que nos vão surpreender!’”, sublinha o responsável da Fundação S. João de Deus face à perspectiva de surgirem talentos ocultos.

“É uma alegria muito grande, porque infelizmente ainda se olha para a pessoa com doença mental como incapaz, e se de facto uma equipa de golfe - formada por utentes de uma casa de saúde, com patologia psiquiátrica - for capaz de mostrar à nossa sociedade que afinal estas pessoas são capazes e têm lugar certo e adequado em todos os espaços que nós também utilizamos, será uma vitória muito grande na luta contra o estigma da pessoa com doença mental. É isto que pretendemos”.

A primeira equipa de golfe que foi constituída tem sete jogadores, todos da Casa de Saúde do Telhal. “Depois de uma acção de sensibilização para a prática de golfe, em que participaram mais de 30 utentes, foram seleccionados aqueles que demonstraram ter mais interesse e mais destreza, e para quem esta actividade será uma mais-valia no sentido de potenciar a sua recuperação”.

A equipa vai ter a primeira aula esta quarta-feira de manhã no Centro Nacional de Formação do Jamor, acompanhados pelo professor voluntário Eduardo Horta. “Encontrámos a quarta-feira de manhã como o período ideal para podermos fazer esta prática, mas admito que ao longo do tempo façamos algumas alterações. O certo é que decorrerá semanalmente e que o grupo de participantes será sempre o mais certo possível”. E não afasta a possibilidade de vir a alargar a iniciativa às outras casas de saúde dos irmãos S. João de Deus.

Em Março realizou-se um torneio de Golfe solidário, e com o valor angariado foi possível produzir equipamentos para os jogadores e pagar o combustível necessário para as primeiras deslocações ao Jamor.

As aulas serão semanais e começam já esta quarta-feira, às 10h00. A iniciativa tem o apoio da Federação Portuguesa de Golfe.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.