O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Irão fala em terrorismo. Parlamento e Mausoléu de Khomeini alvo de ataques

07 jun, 2017 - 08:09

Primeiro balanço aponta para vários sete mortos e vários feridos.
A+ / A-
Irão. Parlamento e Mausoléu de Khomeini alvo de ataques
Irão. Parlamento e Mausoléu de Khomeini alvo de ataques

Um duplo atentado fez sete mortos e vários feridos, esta quarta-feira de manhã, no Irão. Homens armados entraram no Parlamento e no mausoléu do Ayatollah Khomeini.

O ministro responsável pelos Serviços Secretos avança que os ataques foram levados a cabo por grupos terroristas.

No Parlamento, três indivíduos com metralhadoras mataram, pelo menos, uma pessoa e feriram outras oito. Há informação de que foram feitos reféns, mas as autoridades ainda não confirmaram este dado.

"Uma pessoa entrou no Parlamento iraniano e começou a disparar contra os guardas. Atingiu um deles na perna e fugiu", referem duas agências de notícias iranianas (Fars e Mehr).

A agência oficial ISNA avança que as forças de segurança cercaram o edifício e imobilizaram um dos atacantes.

"Estava dentro do Parlamento quando começou o tiroteio", descreve um jornalista no local. "Toda a gente ficou em pânico. Vi dois homens a disparar ao acaso", acrescenta.

Cerca de uma hora e meia depois, um homem armado abriu fogo no Mausoléu do Ayatollah Khomeini, ferindo um número indeterminado de pessoas. O atacante ter-se-á feito explodir de seguida.

O monumento evoca o líder da revolução islâmica de 1979.

São ainda desconhecidas as motivações dos ataques e a identidade dos atacantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • otário cá da quinta
    07 jun, 2017 coimbra 12:21
    Infelizmente, eu com a 4ª. Classe de SALAZAR, fico perplexo com este PORTUGUÊS usado por jornalistas de hoje. É certo que a pressa leva sempre a algumas gralhas, mas quando se torna useiro, já é falta de saber, mas infelizmente, hoje a "nossa" língua adotou o português MACACO . Isto faz-me lembrar e já lá vão uns 50 anos ou mais, em que havia muita cautela com o que se escrevia nos jornais; o Jornal O COMÉRCIO DO PORTO, escrevia um titulo, em letras muito grandes e gordas: AS CONAS DO ESTADO RESPEITANTES AO ANO TAL - etc.. Eu nesse tempo achei muita graça, por ter passado tamanha gralha, mas creio que por ser um titulo com letras tão grandes. é que passou. Agora neste titulo, creio tratar-se um pouco de leviandade. QUANTO À NOTICIA, já por aqui disse muitas vezes, que enquanto não morrerem todos os traficantes de armas e limparem o dinheiro dos financiadores do terrorismo, que têm nos bancos, o terrorismo não terá fim.
  • nelson
    07 jun, 2017 germany 10:44
    deveriam corrigir o título isso não é português...
  • Carlos Duarte
    07 jun, 2017 Arouca 10:17
    Primeiro balanço aponta para "vários" sete mortos... Seria de corrigir a informação para um português mais correto?