O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Roy Larner. O adepto do Millwall que enfrentou os terroristas de Londres

06 jun, 2017 - 15:37

Quando os três jihadistas entraram no bar onde se encontrava Roy Larner todos começaram a fugir menos ele. Invocando o seu clube do coração, atirou-se aos terroristas.
A+ / A-

O Reino Unido está rendido ao mais improvável de heróis. Roy Larner estava a divertir-se com amigos num bar no Mercado de Borough quando os três terroristas que no sábado à noite espalharam o pânico em London Bridge e no mercado irromperam aos gritos.

“Por Alá” e “islão, islão” gritaram os jihadistas, gerando o caos, com todos os clientes do bar a procurar fugir. Todos menos um.

Roy Larner percebeu o que se estava a passar, mas decidiu enfrentar a ameaça. “Eu sou Millwall”, berrou, antes de se lançar aos terroristas com os punhos.

O Millwall, clube do sudeste de Londres, é conhecido no mundo do futebol por ter adeptos particularmente duros e violentos, cujo cântico emblemático é "Somos Millwall, ninguém gosta de nós, não queremos saber". Larner, que é descrito pela mãe como alguém que “nunca vira a cara a uma luta”, fez jus à essa reputação, mas neste caso o seu acto permitiu salvar muitas vidas.

Os terroristas ficaram de tal forma enfurecidos com a resistência que se concentraram apenas em Larner. Esfaquearam-no oito vezes, incluindo no pescoço, antes de ele se dar por vencido mas esses segundos preciosos permitiram a muitos outros clientes pôr-se longe da confusão.

Apesar dos múltiplos ataques, Roy Larner sobreviveu e já foi operado, estando agora a recuperar num hospital em Londres.

A sua história tornou-se conhecida e já foi apelidado o “Leão de London Bridge”, em referência ao símbolo do Millwall.

Reino Unido. Minuto de silêncio em memória das vítimas de atentado
O que fazer quando o terrorismo gera terrorismo? Respostas, precisam-se
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.