O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Venezuela. Madeira não fecha portas a quem queira regressar, mas deixa alertas

05 jun, 2017 - 11:34

O secretário madeirense dos Assuntos Parlamentares e Europeus esteve na semana passada na Venezuela para se inteirar da realidade portuguesa no país.
A+ / A-

A Região Autónoma da Madeira insiste que não tem capacidade para acolher todos os emigrantes que queiram regressar da Venezuela, mas ressalva que não deixará de ter “as portas abertas”.

“Uma vez que não se vislumbra uma saída no curto prazo para a crise política, económica e social que atinge profundamente a Venezuela, se o fluxo de regresso se intensificar é natural que uma região com a dimensão da nossa não tenha meios para fazer face a um fluxo desse tipo”, comenta o secretário madeirense dos Assuntos Parlamentares e Europeus na Renascença.

“Mas não podemos deixar de ter as portas abertas para todos os que queiram regressar, apesar de todas as dificuldades inerentes a uma situação dessas”, ressalva.

Sérgio Marques esteve na Venezuela na semana passada com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, que esta segunda-feira de manhã garantiu todo o apoio do Estado português às famílias portuguesas no país e às que queiram regressar a Portugal e se encontrem em dificuldades financeiras.

O responsável da Região Autónoma da Madeira pelas comunidades no exterior lembra, contudo, que o regresso à ilha só será possível com a cooperação do Governo da República.

“Esta questão do regresso não é uma questão regional, é iminentemente nacional. Todos temos de assumir as nossas responsabilidades, mas o Governo da República não pode deixar de ter um papel de apoio ao Governo regional para que esta integração possa correr da melhor forma. Daí que a cooperação com o Governo da república seja fundamental”, defende.

Sérgio Marques estima que, por esta altura, cerca de quatro mil portugueses e luso-descendentes tenham chegado à Madeira vindos da Venezuela.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • po otário
    05 jun, 2017 Lisboa 21:28
    Ó "otário cá da quinta" o que é que tu sofreste????? Estás é com medo que se acabe a xuxaria??? Tu és daqueles que fizeste uma má redação e cheia de erros sobre a tua vida e deram-te o 9º ano.
  • José Gomes L
    05 jun, 2017 Lisboa 21:22
    E acresce ainda que a geringonça não os quer cá, porque jamais os portugueses da Venezuela votarão em qualquer partido de esquerda. O costa prefere os migrantes que não trabalham, mas um dia vão votar na esquerda.
  • otário cá da quinta
    05 jun, 2017 coimbra 15:27
    São " filhos" de Portugal, não devem ser abandonados pela sua Pátria e ELES ESTÃO PRIMEIRO que aqueles que nada nos são. Contudo, faço uma pergunta: POR ACASO , DEPOIS DE TEREM IMIGRADO, no caso daqueles que na verdade nasceram em TERRA PORTUGUESA e AQUELES que nasceram na Venezuela, mas que são filhos de Portugueses e portanto se consideram "portugueses", ALGUMA VEZ SE PREOCUPARAM COM A MISÉRIA QUE NÓS AQUI EM PORTUGAL SOFREMOS AO LONGO DA ESTÓRIA ? Já aconteceu com os emigrantes em África, que até tratavam mal os militares que para lá iam , obrigados, para defender os seus interesses. Enfim, é a vida ! Só nos lembramos de Santa Barbara, quando faz trovões.