O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

“A Igreja não pode desistir da juventude”

03 jun, 2017 - 13:00

Presidente da Comissão Episcopal da Cultura e Bens Culturais surpreendido com a fraca reflexão sobre a problemática dos jovens quando o próximo sínodo convocado pelo Papa será precisamente sobre “os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.
A+ / A-

“A Igreja não pode desistir da juventude”, disse este sábado, em Fátima, o presidente da Comissão Episcopal da Cultura e Bens Culturais da Igreja na abertura da jornada nacional da Pastoral da Cultura.

“Se é verdade que a sociedade não pode desistir da juventude, muito menos a Igreja. Porque a Igreja precisa da juventude e a juventude precisa da Igreja”, afirma D. Pio Alves.

“Estou a pensar, em primeiro lugar, no sangue novo que a sociedade necessita e os jovens têm melhores condições para, mais livres de condicionalismos e interesses consolidados, ultrapassar barreiras artificiais e vícios reais”, sublinhou o também bispo auxiliar do Porto.

D. Pio Alves mostrou-se surpreendido com a fraca reflexão sobre a problemática dos jovens quando o próximo sínodo convocado pelo Papa será precisamente sobre “os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.

“Mesmo dentro da Igreja não é facilmente compreensível que, a pouco mais de um ano da realização do sínodo, esta análise e reflexão quase não tenha entrado em velocidade cruzeiro. A nossa abordagem aqui pretende ser uma amostra global, necessariamente sumária, de algumas das muitas análises e reflexões que a temática suscita, muito concretamente a relação dos jovens com o mundo da cultura”, afirmou o presidente da Comissão Episcopal da Cultura e Bens Culturais da Igreja.

Com o tema “Out of the box – a relação dos jovens com a cultura”, a 13ª jornada nacional encerrará com a entrega do Prémio Árvore da Vida ao encenador Luís Miguel Cintra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.