O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Solução para ramal da Lousã. Utentes surpreendidos falam em “retrocesso ambiental e de mobilidade”

02 jun, 2017 - 11:54

Governo abandona metro entre Coimbra e Lousã e opta por autocarros eléctricos. Sucedem-se as críticas à solução encontrada para substituir o metro de Mondego parado há mais de 20 anos.
A+ / A-

O Movimento de Utentes de Serviços Públicos (MUSP) exigiu a revogação da medida que prevê a introdução de meio rodoviário para o ramal ferroviário da Lousã.

Numa nota enviada à agência Lusa, o MUSP anuncia que vai “solicitar de imediato uma reunião ao Ministério do Ambiente com o intuito de exigir a revogação desta medida”, em favor de uma solução ferroviária.

A "solução" rodoviária, “abandonando em definitivo o Ramal da Lousã” (entre Serpins, Lousã, Miranda do Corvo e Coimbra) e para “a mobilidade em Coimbra” surpreende “especialistas, autarcas e utentes”, afirma o movimento.

A decisão “representa um retrocesso ambiental, de mobilidade e rapidez e económico, relativamente à electrificação do ramal que não se consegue compreender”, sustenta o MUSP.

“Associada à recentemente anunciada decisão de não alargar a rede de metropolitano para fora do concelho de Lisboa, nomeadamente aos concelhos de Oeiras e Loures, demonstra a aversão que este Governo tem relativamente a soluções ferroviárias de mobilidade, comprovadamente mais eficazes, baratas para os utentes e ambientalmente mais sustentáveis”, acrescenta.

O movimento salienta ainda que o recurso a autocarros eléctricos para assegurar a ligação entre Serpins e Coimbra representa maiores custos, designadamente em termos financeiros e ambientais, do que a electrificação da ferrovia.

Protesto desde as 9h00

Dezenas de pessoas estão concentradas, na Lousã, em protesto contra a anunciada transformação do ramal ferroviário regional em via para autocarros eléctricos integrada no Sistema de Mobilidade do Mondego.

A iniciativa começou às 9h00, com a chegada dos primeiros manifestantes junto aos Paços do Concelho, onde o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, já apresentou um estudo de mobilidade rodoviária, entre Serpins e Coimbra, para substituir o sistema de metro projectado há 21 anos pelo Estado e pelos municípios envolvidos.

Os populares defendem a reposição do serviço público ferroviário no Ramal da Lousã e a rejeição do denominado ‘sistema metrobus’, cuja primeira divulgação oficial conta com a participação de técnicos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), que realizou o estudo.

BE quer explicações

O Bloco de Esquerda vai chamar ao parlamento o ministro das Infraestruturas sobre o Ramal da Lousã (Coimbra), declarando que o projecto em cima da mesa está "muito aquém" do compromisso de uma ferrovia de excelência.

"É um projecto que desrespeita completamente sucessivas resoluções aprovadas na Assembleia da República. E o que vem dizer é que é por razões técnicas que isso acontece. É a técnica que é posta à frente da decisão democrática", sustentou o deputado do BE José Manuel Pureza, justificando o pedido para ouvir o ministro Pedro Marques.

O bloquista falava à margem de uma visita à DocaPesca de Portimão, que marca o arranque de dois dias de jornadas parlamentares do partido, e as declarações aos jornalistas acontecem no dia em que dezenas de pessoas estão concentradas, na Lousã, em protesto contra a anunciada transformação do ramal ferroviário regional em via para autocarros eléctricos integrada no Sistema de Mobilidade do Mondego.

Pureza lamentou que não esteja a ser cumprido o desígnio de se projectar um "transporte ferroviário de qualidade, rápido, que fosse idêntico àqueles que circulam nas cidades ou nas manchas urbanas europeias idênticas à de Coimbra".

O Ramal da Lousã foi encerrado há mais de sete anos, para obras que visavam a instalação de um metro ligeiro, as quais foram interrompidas algum tempo depois por razões financeiras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mandrake
    02 jun, 2017 Lisboa 14:12
    Costa não te ponhas a pau com estas decisões burras e depois diz que o processo se inverte. Outra é do alojamento local outra estupidez deliberará por uma deputada com interesses para estragar a vida a milhares de pequenos empreendedores em favor de empresas de grande dimensão, só espertezas saloias.
  • jams
    02 jun, 2017 lisboa 14:10
    Não conhecendo bem o traçado, acho no entanto que a população vai ficar mais bem servida, dado ficar mais perto das mesmas. Á população o que elas querem é um meio de transporte para lhe resolverem os problemas e que seja confortável.
  • Santos
    02 jun, 2017 Lisboa 14:09
    Até que enfim que há um ministro com visão, com uma solução inteligente, pratica e barata. Mas, a esquerda despesista vem logo dizer que não senhor, que é preciso uma "ferrovia de excelência". Esta gente devia era ser obrigada a pagar com o próprio livro de cheques.
  • Domingos Almeida
    02 jun, 2017 Lisboa 12:44
    Tendo estudado na Lousã nos anos 90, o comboio da altura era muito útil para todas as pessoas desta zona, era cerca de 50 minutos até Coimbra! É de lamentar mesmo estes atrasos enormes iniciais e agora esta situação! Uma vergonha, para Lisboa há tudo e mais alguma coisa, no interior, nada... a meu ver o interior cada vez fica mais isolado puuuuuuuf...