O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Base das Lajes e multidão de idosos na Terceira à espera de Marcelo

02 jun, 2017 - 00:27 • Susana Madureira Martins

Depois das ilhas do Corvo e das Flores, o Presidente da República chega esta sexta-feira à Terceira. O segundo dia visita aos Açores começa na Base Aérea número 4, seguindo-se um almoço com 2.500 idosos.
A+ / A-

A questão da Base das Lajes é delicada e o presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro, mal se encontrou com Marcelo Rebelo de Sousa, no Corvo, abordou o assunto na reunião de 20 minutos que tiveram.

O líder regional partilhou com o Presidente da República as preocupações em relação “à componente ambiental” da base aérea e sobre a evolução do processo, nomeadamente “a componente laboral, em que foi possível não houvesse despedimentos pura e simples e que tudo fosse feito através de mútuo acordo”.

Vasco Cordeiro reconheceu que não é a primeira vez que toca no assunto com o Presidente da República - a questão foi debatida quando se deslocou a Lisboa para apresentação de cumprimentos a Marcelo Rebelo de Sousa.

A visita do Presidente da República à Base Aérea número 4 surge meses após Marcelo Rebelo de Sousa ter falado no assunto ao telefone com o Presidente dos Estados Unidos da América, por alturas da eleição de Donald Trump, a quem recordou o bom relacionamento histórico bilateral entre os dois países.

Depois da visita à Base Aérea das Lajes, Marcelo Rebelo de Sousa almoça com os idosos da Ilha Terceira; espera-se um banho de multidão, num almoço em que são esperados 2.500 idosos.

O mesmo se espera na manhã seguinte, quando Marcelo passear a pé pelo centro de Angra do Heroísmo, onde ainda vai discursar no XIV Congresso Insular das Misericórdias.

A visita do Presidente da República termina na terça-feira com as visitas às ilhas do Faial e de São Jorge.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.