O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Marcelo: Alterações climáticas vão impor-se a Trump e a Europa deve unir-se

01 jun, 2017 - 23:10

"Bem pode haver quem se considere importantíssimo no mundo que negue isso que não altera a realidade", afirma o Presidente da República.
A+ / A-

O Presidente da República defendeu esta quinta-feira, referindo-se ao homólogo norte-americano Donald Trump, que as alterações climáticas são uma evidência que "se vai impor", mesmo que haja alguém que "se considere importantíssimo no mundo que negue isso".

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava na ilha das Flores, nos Açores, em reação ao anúncio do Presidente norte-americano de que os Estados Unidos vão abandonar o Acordo de Paris, defendeu ainda que a Europa deve unir-se e "continuar a ser uma campeã desta causa".

"É uma evidência tão óbvia a necessidade de olhar para as alterações climáticas que bem pode haver quem se considere importantíssimo no mundo que negue isso que não altera a realidade. A realidade é o que é. E vai ser o que é, e não pára por causa de uma posição isolada, por muito importante que se considere".

No seu entender, "era preferível que não tivesse existido" esta posição dos Estados Unidos, mas "a realidade se encarregará de mostrar quem, num determinado momento, não percebeu a força dessa realidade".

"Não tenho dúvidas de que é só esperar um bocadinho para ver como a realidade se vai impor", disse.

Citando o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o Presidente da República considerou que "o afastamento de um obriga todos os demais a unirem-se em torno daquilo que é fundamental para a humanidade".

"É mais uma razão para aqueles que temos a noção desta realidade, com os pés assentes na terra, nos unirmos e para continuarmos a lutar", reforçou, defendendo que "a Europa tem aqui uma causa que é justa, que é real" e "deve continuar a ser uma campeã desta causa".

Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou que "as relações transatlânticas são uma realidade muito rica e muito importante" e declarou: "os povos perduram, as nações perduram, os presidentes passam e os governos passam".

O Presidente da República insistiu, contudo, que "as alterações climáticas são um problema, e o negar, por razões políticos de momento, esse problema, não faz desaparecer o problema".

"Há coisas que são tão óbvias na vida. É como achar que se pode tapar o sol com o dedo - o sol está lá e o dedo não tapa o sol -, ou como o defender que o sol anda à volta da terra e não a terra à volta do sol", comparou.

Concluído em 12 de Dezembro de 2015 na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o acordo entrou formalmente em vigor em 4 de Novembro de 2016, e visa limitar a subida da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

Portugal ratificou o acordo de Paris em 30 de Setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

O acordo histórico teve como "arquitectos" centrais os Estados Unidos, então sob a presidência de Barack Obama, e a China, e a questão dividiu a recente cimeira do G7 na Sicília, com todos os líderes a reafirmarem o seu compromisso em relação ao acordo, com a excepção de Donald Trump.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.