O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

PSD acusa Fenprof de marcar greve com “objectivos eleitorais e autárquicos”

01 jun, 2017 - 18:49

Sindicato dos professores ameaça fazer greve para os dias dos exames nacionais.
A+ / A-

O PSD acusou esta quinta-feira a Fenprof de ter marcado uma greve para o dia dos exames nacionais com objectivos “eleitorais e autárquicos” e desrespeitar o esforço de estudantes, professores e famílias.

“O PSD vem lamentar a marcação de uma greve para o dia dos exames, consideramos que a marcação da Fenprof não respeita o trabalho e o esforço dos estudantes. Trata-se de uma instrumentalização que põe em causa a tranquilidade deste período tão importante para a vida de milhares de pessoas”, afirmou o deputado do PSD Duarte Marques, em declarações aos jornalistas no parlamento.

O deputado social-democrata acusou a Fenprof de, no último ano e meio, ter “branqueado os erros do Governo em matéria de educação”.

“Agora que se aproximam as eleições autárquicas vem marcar uma greve num dia tão importante para todos, sobretudo para marcar as suas diferenças face ao Governo e poder preparar o seu resultado eleitoral”, disse.

Questionado se o PSD responsabiliza o PCP pela marcação desta greve, Duarte Marques respondeu: “Estou a dizer que a Fenprof está a entrar na área político-partidária e com esta greve está, como é seu timbre, a ser o braço armado do PCP dentro dos sindicatos dos professores”.

“Não pomos em causa o direito à greve, mas marcar uma greve após tantos meses e precisamente para o dia dos exames é de baixo tom, é mau, é lamentável, e sobretudo não será compreendido por nenhum português”, afirmou, assegurando que as divergências políticas do PSD com o Governo em matéria de educação nunca serão utilizadas em dia de exames nacionais.

A Fenprof anunciou esta quinta-feira a marcação de uma greve nacional de professores para 21 de Junho, cuja concretização fica dependente dos compromissos que o Ministério da Educação estiver disponível para assumir numa reunião a realizar na terça-feira.

A marcação da greve da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) coincide com o anúncio da Federação Nacional da Educação (FNE), que ameaça avançar para uma paralisação no mesmo dia, caso não obtenha respostas do Governo também na próxima semana.

“A Fenprof decidiu anunciar a marcação desta greve para 21 de Junho, mas só formalizar a sua convocatória no dia 6 de Junho, após a realização da reunião com o ministro da Educação, caso a mesma não produza resultados concretos e satisfatórios”, afirmou Mário Nogueira, secretário-geral da Federação, em conferência de imprensa no final de um encontro do secretariado nacional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro
    09 jun, 2017 Porto 16:43
    Falou o sr que mentiu para ganhar as eleições na altura da crise. Quando foi para cortar nos salários não andou a cortar onde fazia menos falta. Foi a torto e a direito não importavam as consequências. Antes queixava-se de não haver greves agora é por haver numa altura em que afeta pessoas. Ainda não percebeu que perdeu toda a credibilidade? Uma vez mentiroso para sempre mentiroso.
  • Justo
    06 jun, 2017 Leiria 15:53
    Era colocar os professores a recibos verdes. trabalham e são bons profissionais, devem ser bem pagos, caso contrário vão cavar vinha!
  • João Cordeiro
    01 jun, 2017 Setúbal 19:20
    Concordo plenamente com a marcação da greve. Uma greve, só é greve quando gera efeitos. Os médicos não faltam às operações quando estão em greve? Cada um deve lutar pelos seus direitos.