O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

EUA fora do Acordo de Paris? Albright espera que seja uma notícia falsa

31 mai, 2017 - 21:34 • Paulo Ribeiro Pinto

Nas Conferências do Estoril, a antiga secretária de Estado norte-americana confessa-se preocupada e triste com a recente viagem de Donald Trump à Europa, que mostrou desconhecimento sobre as relações entre velhos aliados.
A+ / A-

A antiga secretária de Estado norte-americana, Madeleine Albright, ainda espera que as notícias sobre a saída dos Estados Unidos do Acordo climático de Paris sejam falsas.

“Ficarei muito preocupada se, de facto, Trump abandonar o Acordo de Paris, porque sei que os Estados Unidos e a China são os principais causadores dos problemas. O argumento mais forte é que as alterações climáticas prejudicam a nossa economia”, disse Madeleine Albright, esta quarta-feira, nas Conferências do Estoril.

A antiga diplomata confessa-se preocupada e triste com a recente viagem de Donald Trump à Europa, que mostrou desconhecimento sobre as relações entre velhos aliados.

“Eu acredito na NATO, acredito no artigo 5º, acredito no Acordo de Paris. O que é importante nos Estados Unidos é a liberdade de expressão e, por isso, estou realmente muito triste com o que vi”, lamentou.

Na intervenção nas Conferências do Estoril, Albright falou do Presidente russo e das intenções de Vladimir Putin, no que a diplomata considera ser uma nova versão da Guerra Fria.

“Provavelmente, não estou sozinha quando olho para as manchetes, temendo que estamos a ver uma sequela de um filme já visto: uma segunda Guerra Fria. Os objectivos imediatos de Putin são estender a sua influência aos países vizinhos da Rússia, enfraquecer a NATO e a União Europeia e criar um fosso entre os Estados Unidos e os seus aliados”, alerta a antiga secretária de Estado.

Madeleine Albright, ela própria uma emigrante, naturalizada norte-americana, confessa ser uma optimista que se preocupa muito. Acredita que a crise migratória só será resolvida depois de tratadas as guerras civis no Médio Oriente, uma tarefa que a diplomata reconhece ser titânica.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Para refletir...
    31 mai, 2017 Almada 21:56
    É chocante com tantas coisas graves no mundo que afetam as pessoas hoje, repito hoje, andarem a falar apenas em alterações climáticas. Por exemplo alguns países que dizem ser uma democracia na verdade não são, depois há a violação de direitos humanos mesmo cá bem perto, a manipulação dos media que não são livres. Tudo isto bem grave.