O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Morreu jornalista e histórico do PCP Miguel Urbano Rodrigues

27 mai, 2017 - 21:32

Ainda não são conhecidos dados sobre as cerimónias fúnebres do também escritor.
A+ / A-

O jornalista, escritor e pensador Miguel Urbano Rodrigues faleceu, aos 91 anos, confirmou fonte do Partido Comunista à agência Lusa.

O antigo jornalista do Diário de Notícias entre 1949 e 1956 e chefe de redacção do Diário Ilustrado (1956 e 1957) exilou-se no Brasil durante a ditadura, onde foi editorialista de O Estado de S. Paulo (entre 1957 e 1974) regressou a Portugal após o 25 de Abril.

Foi director do jornal O Diário, chefe de redacção do Avante, militante do PCP e um dos maiores pensadores da esquerda portuguesa.

Publicou em Portugal e no Brasil mais de uma dezena de livros, desde textos políticos a obras de ficção.

Natural de Moura, nascido a 2 de Agosto de 1925, foi deputado à Assembleia da República pelo PCP entre 1990 e 1995 e deputado às Assembleias Parlamentares do Conselho da Europa e da União da Europa Ocidental.

Miguel Urbano Rodrigues é filho de Urbano Rodrigues e irmão de Urbano Tavares Rodrigues.

Ainda não são conhecidos dados sobre as cerimónias fúnebres.

Numa entrevista a Ana Lourenço na SIC Notícias, em 2008, Miguel Urbano Rodrigues dizia que o «século XXI vai ser um século de novas revoluções», aludindo a poderes que “promovem a desigualdade social”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VIRIATO
    28 mai, 2017 CONDADO PORTUCALENSE 21:50
    Paz à sua alma...mas...é um dos que contribuiu com a sua parcela de culpa para o estado em que se transformou a comunicação social...o braço armado do partido comunista. Que se mudem as mentalidades na c.s. e se reforme esta democracia putrefacta.
  • Luís Brás
    27 mai, 2017 Sintra 22:58
    Como diria um médico cirurgião de um hospital público português após uma operação de 5 horas de peito aberto ao meu Pai que tinha 87 anos: "Com 91 anos, o que anda cá a fazer!!!". É sempre triste quando alguém nos deixa, compreendo a dor que estão a passar, os sentimentos à família e amigos.