O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Papa “profundamente entristecido ao saber do ataque bárbaro no Egipto”

26 mai, 2017 - 19:09 • Matilde Torres Pereira

Um grupo de peregrinos coptas dirigia-se ao mosteiro de São Samuel o Confessor em Minya quando foram alvo de uma emboscada. 26 pessoas morreram e outras 26 ficaram feridas.
A+ / A-
Emboscada mata 26 cristãos coptas no Egipto

O Papa Francisco fez chegar esta sexta-feira um telegrama ao Presidente da República do Egipto, Abdel Fattah al-Sisi, em que se manifesta profundamente entristecido pelo ataque desta sexta-feira no centro do país.

Pelo menos 26 cristãos coptas morreram e igual número ficou ferido num ataque a uma caravana de automóveis, em Minya, no Sul do Egipto.

“Profundamente entristecido ao saber do ataque bárbaro no centro do Egipto e da trágica perda de vidas e ferimentos causados por este acto de ódio sem sentido, o Papa Francisco expressa sua solidariedade sincera com todos os afectados por este violento ultraje”, lê-se no telegrama assinado pelo secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin.

O Papa diz-se “atento, de modo particular, às crianças que perderam a vida”.

“Assegurando as famílias enlutadas e todos os que foram feridos das suas orações ardentes, compromete-se a continuar a interceder a favor da paz e da reconciliação em toda a nação”, remata o telegrama.

Um grupo de peregrinos coptas dirigia-se ao mosteiro de São Samuel, o Confessor quando os veículos em que seguiam foram alvo de uma emboscada por homens armados, atacando-os com armas automáticas e massacrando os ocupantes.

Testemunhas citadas pelo Ministério da Saúde egípcio descreveram um grupo de oito a dez terroristas que envergavam fardas militares.

Os peregrinos viajavam em dois autocarros e um camião.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco Torres
    26 mai, 2017 Viana do Castelo 20:22
    Estamos em guerra, os muçulmanos estão em guerra declarada contra todo o mundo civilizado, em especial contra os cristão. Para quando os nossos políticos assumem, deixem de proteger os muçulmanos, branquear as acções terrorristas, violações em massa de crianças, assaltos, agressões .....Para quando a declaração de guerra em defesa dos nossos valores, da nossa liberdade??? ...Até quando vamos assistir mortes, ataques cobardes, matanças, com coroas de flores, discursos de tolerância, o branqueamento dos actos, e a desculpas esfarrapadas que os terroristas não são muçulmanos, ou são maus muçulmanos????....é a essência do islão, a conquista e submissão pela espada, é uma ideologia fascista, intolerantes, dominante e diabólica!!!!..
  • emidio
    26 mai, 2017 horta 19:23
    i aqui nesta europa estas politic