O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Recados sobre paz e ambiente nos presentes do Papa a Trump

24 mai, 2017 - 08:20

Francisco recebeu o Presidente dos EUA no Vaticano.
A+ / A-
O encontro entre o Papa e Donald Trump

O Papa Francisco ofereceu, esta quarta-feira, a Donald Trump a edição em inglês da mensagem para o Dia Mundial da Paz 2017, da exortação “A Alegria do Evangelho” e da Encíclica “Laudato sí”, sobre “o cuidado da casa comum”.

A troca de presentes ocorreu depois da audiência, no Vaticano, que Francisco concedeu ao Presidente dos Estados Unidos, com quem se reuniu num encontro privado.

Durante o encontro, segundo uma nota emitida pelo Vaticano, o Papa e Trump elogiaram as boas relações entre a Santa Sé e Washington e o compromisso comum em defesa da vida, liberdade de consciência e de expressão. Foi também expressada a esperança de que possa haver "colaboração serena" entre o Governo e a Igreja americana "no serviço à população, no campo da saúde, da educação e da assistência aos imigrantes".

De seguida foram trocadas impressões sobre a actualidade, com destaque para a situação no Médio Oriente e a protecção das comunidades cristãs.

Após o tradicional aperto de mãos, os dois responsáveis sentaram-se frente a frente na biblioteca do Papa e conversaram durante cerca de 30 minutos com a ajuda de intérpretes.

No final, Francisco saudou a primeira-dama Melania Trump, a filha mais velha de Donald Trump, Ivanka, e o seu marido, Jared Kushner.

Foi depois desta sessão de cumprimentos que ocorreu a troca de presentes. Francisco deu ainda, como costuma acontecer nas audiências a chefes de Estado, um medalhão do seu pontificado com dois ramos de oliveira entrelaçados, símbolo da paz.

O Presidente norte-americano ofereceu ao Papa um conjunto de livros de Martin Luther King, figura que tem sido uma referência em vários escritos de Francisco.

A delegação do Presidente norte-americano inclui o Secretário de Estado, Rex W. Tillerson, e o conselheiro de Segurança Nacional, H. R. McMaster.

Ao despedir-se do Papa, Donald Trump agradeceu a audiência e afirmou: "Não me esquecerei do que disse".

Esta quarta-feira, Trump vai ainda encontrar-se com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, acompanhado por D. Paul Gallagher, secretário do Vaticano para as relações com os Estados.

A capela Sistina fechou para a visita de Trump

Melania Trump, por seu lado, vai visitar o Hospital Pediátrico do Menino Jesus, propriedade da Santa Sé, em Roma. E Ivanka Trump desloca-se à comunidade católica de Santo Egídio, no contexto de um encontro sobre o combate ao tráfico de pessoas.

Desenhos, "selfies" e uma mensagem de força. Melania visitou hospital pediátrico em Itália

Donald Trump, 45.º presidente dos Estados Unidos da América, tem divergências com o Papa em matérias de imigração e ambiente. A visita ao Vaticano acontece depois da deslocação à Arábia Saudita e Israel, e antes da cimeira do G7, na Sicília, e da cimeira da NATO, em Bruxelas.

[Notícia actualizada às 12h39]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Modesto Vitória
    25 mai, 2017 15:01
    Infelizmente o mundo está cheio de hipocrisia: Não acredito que Trump tenha admiração por, Martin Luther King! O grave problema em que o planeta se encontra nunca será resolvido com missas e ladainhas, mas sim com AMOR, isto é, respeito para com todos o seres viventes. Jesus deixou mensagem de AMOR e Fé, mas o mal foi o homem ter confundido Amor com casamento e Fé com religião. As religiões têm servido para a desunião dos seres Humanos.
  • Atento
    25 mai, 2017 Leça da Palmeira, Matosinhos 09:34
    Estes comentários de ódio a Trump são bem o espelho de quem os escreve ...
  • mara
    24 mai, 2017 Portugal 23:06
    Caro (a) JC estou plenamente de acordo consigo, é grande hipocrisia negociar armas para alimentar a guerra e os cofres de dinheiro, e depois visitar o Papa Francisco que passa os dias a pedir Paz, e sofre com as mortes causadas pelas arma....
  • Manuel
    24 mai, 2017 16:52
    Lamento que Sua Santidade, tenha recebido Trump,depois dele ter felicitado o SELVAGEM das Filipinas!Trump,"não se pode estar bem com Deus e com o diabo".
  • José
    24 mai, 2017 Lx 12:22
    Será que o Sr. Trump neste encontro, à semelhança dos dois anteriores, conseguiu fazer algum negócio de armamento? Ou será que foi só falar da Paz que os negócios que fez trarão ao mundo?
  • Maria Teresa
    24 mai, 2017 Oeiras 11:42
    Que o encontro deste sr. Trump com o Santo Padre Francisco lhe tenha trazido sensibilidade para com aqueles assuntos que merecem deveras uma atenção muito grande ( muro, emigração, etc.). E que o sr. Trump tenha mesmo o cuidado de pensar no que escutou e que leia as ofertas que o Bom Papa lhe fez. De notar que o encontro não foi dos mais longos... o de Barack Obama durou bem mais. Que o sr. Trump aprenda o significado profundo da bela palavra PAZ!
  • KradFire
    24 mai, 2017 Portugal 11:07
    ISABEL Aposto que você é daquelas que se ver alguém a criticar outros com piercings, tatuagens, cabelo verde ou mesmo o véu muçulmano , você argumenta que cada um se veste como quer.
  • JC
    24 mai, 2017 charneca da caparica 10:53
    O cinismo e a hipocrisia não têm limites, Trump fala de paz depois de ter feito um negócio de milhões de dólares com a venda de armas à Arábia Saudita, armas estas, que todos nós sabemos por quem e onde vão ser utilizadas !!!!!
  • Carmen Gergolet
    24 mai, 2017 Oeiras 10:48
    As "damas! que acompanham o Sr, Trump estão vestidas de uma forma ridícula, cobrem a cabeça em sinal de respeito, quando isso já passou a historia faz muitos anos, mais não o fizeram ao chegar a um pais donde e habitual as mulheres cobrir a cabeça. ademas eu acho que elas não iriam a rua com essa vestimenta, tentaram ser mais "papistas que o Papa" e deveriam saber que o Santo Papa não enche o olho pelas apariencias.....
  • Isabel
    24 mai, 2017 Lisboa 10:25
    Será que Trump não repara que os cavalheiros usam os casacos abotoados? Será que o genro, que é seu conselheiro político e que cumpre as regras para os três botões, não conseguirá tapar-lhe a gravata até aos joelhos?