O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

António Costa. “Turismo tem importância pela actividade económica que gera"

19 mai, 2017 - 21:09

Governante convicto “que turismo chama turismo porque cada visitante, no regresso a casa, conta a sua experiência aos familiares, amigos, colegas de trabalho e vizinhos”.
A+ / A-

O primeiro-ministro destacou a importância do turismo na economia nacional, admitindo que o crescimento do emprego em Portugal em 2016 se deveu muito ao crescimento da actividade turística.

"O turismo tem importância pela actividade económica que gera, pelo peso que tem nas exportações e pelo efeito multiplicador na criação de emprego", afirmou António Costa durante uma visita à Igreja e Torre dos Clérigos, no Porto, considerado o `ex-libris´ da cidade.

Por esse motivo, o chefe do Governo frisou a importância da conjugação de esforços por parte do Estado, dos municípios, das regiões de turismo e da igreja para que Portugal continue a ser um "grande destino" turístico.

"É minha profunda convicção que turismo chama turismo porque cada visitante, no regresso a casa, conta a sua experiência aos familiares, amigos, colegas de trabalho e vizinhos e, se desses, dois vierem visitar o país, já é bom", entendeu.

O primeiro-ministro afiançou que o turista encontra em Portugal aquilo que não encontra noutro país, que é o "factor de diferenciação", tornando o país atractivo.

Elogiando a "vitalidade" que o Porto ganhou nos últimos anos, o socialista vincou que a cidade tornou-se "indiscutivelmente" um dos grandes factores de atractividade do turismo nacional.

"Ouço excessivas vezes dizer que temos tido sorte no crescimento do turismo, como se o turismo que tem crescido em Portugal resultasse do infortúnio que tem afectado outros destinos turísticos", frisou.

Costa admitiu que porventura há destinos no país de virados para o produto "sol e praia" que terão beneficiado da instabilidade política e da insegurança existente noutras regiões, mas lembrou que quem visita o Porto não o faz pelo sol e praia.

Mas sim, sublinhou, pela "vitalidade notável, pelo património de grande riqueza, pela gastronomia que oferece, pelo acolhimento caloroso e amigável, afirmando-se por si próprio como um destino de grande importância turística".

O primeiro-ministro foi agraciado pela Irmandade dos Clérigos, responsável pela gestão do monumento, como o visitante número dois milhões, números desde a inauguração das obras da igreja, em 2014.

"É uma grande honra ter sido o visitante dois milhões da renovada Torre dos Clérigos", exprimiu.

António Costa dedicou o dia ao distrito do Porto, tendo já passado por Vila Nova de Gaia, Maia, Lousada e Porto, seguindo agora para Rio Tinto, Gondomar e Penafiel.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.