O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​Despensa 6. A pastelaria sem sentimento de culpa

19 mai, 2017 - 18:24

Patrícia Machado e Pedro Dias abriram uma pastelaria em Lisboa em que o glúten é proibido e todos os ingredientes são naturais.
A+ / A-

Paula Carvalho descobriu que era celíaca (intolerante ao glúten) durante a primeira gravidez. Ir a uma pastelaria tornou-se proibido. Costumava ficar a “olhar para a montra” e pensar: “80% do que aqui está não posso comer e o resto não gosto”. Na Despensa 6, uma nova pastelaria de Lisboa, Paula sente-se à vontade: todos os ingredientes usados são naturais e sem glúten.

Esta mãe de 34 anos, responsável pela comunicação da pastelaria da Avenida de Roma, sente-se confortável por conseguir comer tudo o que a Despensa 6 oferece. A intolerância ao glúten impede-a de comer certos alimentos como pão e bolos com farinha de trigo. Na Despensa 6, a comida é saudável e continua “a ser gostosa e até gulosa”.

“É tudo sem glúten. Muito pouca coisa aqui, tirando o iogurte, tem lactose”, diz Paula. O conceito é simples, conta Pedro Dias, um dos proprietários: utilizar os ingredientes “o mais naturais possível”.

É por esta razão que a Despensa 6 não inclui o “açúcar refinado, as farinhas de trigo e os óleos processados” nas suas receitas. Todos os ingredientes têm “baixo índice glicémico” e são “ricos do ponto de vista nutricional”. O conceito inspira-se na dieta paleolítica, que tem por base não ingerir alimentos “transformados pela indústria”.

Os proprietários, Pedro Dias e Patrícia Machado, querem combater a ideia de que todos os produtos sem glúten são saudáveis. E argumentam: há produtos no mercado à base de aditivos e adoçantes artificiais – matéria proibida na Despensa 6.

Receitas sem sentimento de culpa

As receitas da Despensa 6 exigiram muita pesquisa e experimentação em casa.

O mel e as frutas doces são os principais substitutos do açúcar refinado. Em relação às farinhas, em vez da de trigo, a pastelaria usa as farinhas de aveia, amêndoa, coco e polvilho doce.

A pastelaria junta também o pão biológico e a granola ao seu conceito. A principal preocupação foi fazer pão sem glúten, mas com “a textura do pão convencional”. “Mandámos fazer imensos testes para conseguirmos”, conta.

Num espaço da pastelaria há vários dispensadores dos quais saem as duas granolas ali feitas: sementes e cacau. “Também temos granola para as pessoas poderem levar para casa.”

Patrícia Machado e Pedro Dias sempre se interessaram pelo tema da alimentação saudável. Concluíram que o mercado português ainda não tinha inovado relativamente à pastelaria saudável e que seria “uma óptima ideia oferecer às pessoas aquilo de que” eles “próprios também sentiam falta”, conta Patrícia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.