O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Centeno. Desfasamento nas previsões do FMI tem "custos muito significativos" para Portugal

19 mai, 2017 - 17:50

Deputada do BE Mariana Mortágua voltou a defender que o défice mais baixo da história "não resolve nada" dos problemas dos portugueses.
A+ / A-

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou esta sexta-feira que o desfasamento das previsões do FMI na economia portuguesa tem "custos muito significativos", defendendo que a instituição melhore os seus modelos e em vez de propor reformas ao país.

No parlamento, Mário Centeno foi confrontado pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua com as declarações do ex-economista chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Olivier Blanchard que reconheceu que a prioridade da política económica não deve ser a redução do défice orçamental.

O ministro das Finanças criticou as estimativas do FMI, "tão frequentemente desfasadas da economia portuguesa", afirmando que essas estimativas "impõem custos na nossa economia muito significativos".

"Gostaria que os responsáveis dessas instituições se dedicassem mais a melhorar os modelos que aplicam, do que a projectar reformas que não são baseadas em dados correctos para a economia portuguesa", afirmou o governante.

Olivier Blanchard defendeu que "a regra que diz 'absolutamente não' a furar o limite dos 3% é excessiva e pode haver projectos em que faça sentido superar esse limite".

Antes, Mariana Mortágua voltou a defender que o défice mais baixo da história "não resolve nada" dos problemas dos portugueses, com Mário Centeno a dizer que ter atingido a meta definida pela Comissão Europeia trará vantagens não só para o Estado, mas também para empresas e famílias.

"A saída do Procedimento por Défices Excessivos não vai apenas beneficiar as condições de financiamento do Estado, mas também das famílias e das empresas em Portugal", defendeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Soares
    20 mai, 2017 Famalicão 12:14
    De acordo com os XUXAS PANTOMINEIROS, mas em termos económicos e desenvolvimento vamos esperar por 2018 , os Portugueses vão sentir as dificuldades, a inflação vai subir tudo mais caro, e pelo que diz o Sr. Centeno as previsões do FMI é que estão erradas, claro ele não tem problemas dada a sua posição, mas o povo vai sentir as dificuldades, o futuro nos dirá!!!!
  • XUXAS PANTOMINEIROS
    19 mai, 2017 Lx 19:14
    Este xuxa é um belo pantomineiro e vendedor da banha da cobra. O modelo económico deste capataz do PCP e do BE onde anda? Foi rasgado? Ou foi anulado pela realidade? Uns mestres da pantomina estes xuxas de má memória cuja gestão nos tem levado ao resgate e já vão 3 à conta das suas prestações a última das quais com o "menino de oiro" dos xuxas chamado Pinto de Sousa e que ainda pagamos com língua de palmo e haveremos de pagar por muitos e longos anos.Infelizmente, os tugas têm a memória curta e vivem da "espuma dos dias"...Também foi assim no tempo do salafrário Sócrates, estava tudo ás mil maravilhas e de repente demos o estouro mestre...