O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Inglaterra

Não se fala com a boca cheia. Mourinho segue regra à risca

19 mai, 2017 - 17:40

Momento caricato - mais um - protagonizado pelo treinador português do Manchester United, numa conferência de imprensa.
A+ / A-

José Mourinho é pródigo em momentos caricatos mas profundamente espontâneos, em conferências de imprensa. Aconteceu em todos os clubes pelos quais passou e, no Manchester United, voltou a acontecer, esta sexta-feira.

Depois de já nesta época ter atendido o telemóvel de um jornalista da rádio TalkSport, hoje, o treinador português entrou na conferência de imprensa de lançamento dos jogos com Crystal Palace (última jornada da Premier League) e Ajax (final da Liga Europa) a comer um biscoito.

A assessora de comunicação dos "red devils" deu início à conversa com os jornalistas ainda com "Mou" a debater-se com o último pedaço do doce. E um dos profissionais da comunicação social iniciou a primeira pergunta.

Mourinho escutou, atentamente, acenou com a cabeça, deixou o jornalista terminar e levantou a mão, pedindo uns segundos de espera. Pelo meio, um sorriso indisfarçável do próprio técnico e alguns risos na plateia. Um trago de água, para ajudar o biscoito a ir para baixo e tudo normalizado.

Já agora, fica a tal primeira resposta, acerca da disponibilidade física de um plantel assolado por lesões em 2016/17.

"Fizemos 37 jogos desde Janeiro. Em cinco meses faltou-nos um jogo para fazer uma [temporada completa] da Premier League. Tivemos quatro lesões graves que reduziram o número de disponíveis. O Jones e o Smalling lesionaram-se ambos ao serviço da seleção inglesa na mesma semana. O nosso plantel ficou então reduzido a um número de jogadores que nos colocou em maus lençóis", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.