O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ajuda à Igreja que Sofre apela à oração pela Venezuela

19 mai, 2017 - 15:00

A acção tem carácter internacional e em Portugal estará centrada na Igreja de Telheiras, onde será rezado o terço às 18h30 e celebrada uma missa por esta intenção às 19h.
A+ / A-

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre convocou uma jornada de oração pela situação política e social na Venezuela, para domingo, dia 21 de Maio.

O país atravessa uma profunda crise, e uma vaga de protestos contra o Governo, reprimidos pelas autoridades, tem feito dezenas de mortos e centenas de feridos.

Numa nota enviada à Renascença, a fundação Ajuda à Igreja que Sofre afirma que age movida pelos “apelos que chegam diariamente da Igreja da Venezuela”.

A acção tem carácter internacional e em Portugal estará centrada na Igreja de Telheiras, onde será rezado o terço às 18h30 e celebrada uma missa por esta intenção às 19h.

Segundo a nota enviada pela fundação, ainda esta semana, o cardeal Baltazar Enrique Porras, arcebispo de Mérida, esteve na sede internacional da AIS, na Alemanha, para denunciar a grave situação de caos em que se encontra o seu país, com revoltas populares constantes por causa da escassez de alimentos e de medicamentos.

Os alertas do Cardeal Baltazar na sede internacional da fundação AIS já tinham sido pronunciados pela Conferência Episcopal da Venezuela que emitiu dois comunicados nas últimas semanas sobre esta gravíssima crise.

Os bispos pediram aos venezuelanos para “repudiarem qualquer manifestação de violência e respeitarem os direitos de todos e cada um dos cidadãos”, sublinhando o dever de a Constituição Nacional garantir “o protesto cívico e pacífico”.

No último desses documentos, datado de 5 de Maio, os bispos qualificaram as mais recentes decisões do Governo de Maduro e do Supremo Tribunal da Venezuela como “desacertadas” e “desnecessárias”, e pediram para que o executivo se concentre antes na resolução dos principais problemas do país, como a falta de “comida, medicamentos, liberdade, segurança pessoal e jurídica, e paz”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.