O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Mértola. Morreu atropelado o lince ibérico libertado na quarta-feira

19 mai, 2017 - 12:39

Neco seria o 26.º lince a integrar a nova população de lince ibérico no âmbito da recuperação da área histórica da espécie na Península Ibérica. Foi o primeiro a ser atropelado.
A+ / A-

Um lince ibérico nascido em Espanha mas tinha sido libertado na quarta-feira no vale do Guadiana, onde decorre o processo de reintrodução da espécie, morreu atropelado na zona de Mértola, distrito de Beja.

Em comunicado, o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) adiantou que o lince, denominado Neco, foi encontrado por um morador na quarta-feira à noite na Estrada Municipal entre Mértola e Corte Gafo de Cima, distrito de Beja.

"O animal, que apresentava sinais de morte recente, foi recolhido por uma Vigilante da Natureza do Departamento Conservação da Natureza e Florestas do Alentejo pelas 00h30 de quinta-feira e será reencaminhado para necropsia para apuramento de todos os factores potencialmente associados à sua morte", refere o ICNF.

O lince, segundo o ICNF, tinha sido libertado na quarta-feira de manhã em propriedade privada, próximo do rio Guadiana e numa zona de elevada densidade de coelho-bravo, e estava equipado com uma coleira radioemissora.

De acordo com o ICNF, este seria o 26.º lince a integrar a nova população de lince ibérico no âmbito da recuperação da área histórica da espécie na Península Ibérica.

O ICNF informa também que este foi o primeiro lince reintroduzido em território nacional que foi atropelado.

O núcleo populacional de lince ibérico do Vale do Guadiana está em fase de estabelecimento e consolidação, contando já com sete fêmeas reprodutoras e nascimentos no meio natural pelo segundo ano consecutivo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.