O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Alepo consagrou-se a Nossa Senhora de Fátima, “sem medo de mísseis”

17 mai, 2017 - 12:23

Foi a primeira vez em seis anos que os cristãos puderam fazer uma procissão do 13 de Maio em Alepo sem medo de ataques.
A+ / A-
Alepo consagrada a Nossa Senhora de Fátima

Dois dias antes de o Papa Francisco canonizar os pastorinhos Francisco e Jacinta Marto, assinalando dessa forma o centenário das aparições, os cristãos de Alepo, na Síria, consagraram a sua cidade a Nossa Senhora de Fátima.

Segundo a agência católica ACI Digital, a consagração teve lugar na Catedral Latina de São Francisco de Assis, ou Igreja Latina dos Franciscanos, como é conhecida também. Alepo tem cristãos de vários ritos católicos e de outras denominações, que também se fizeram representar.

Antes da consagração propriamente dita, decorreu uma procissão pela cidade que reuniu milhares de pessoas incluindo grupos cristãos organizados, como os escuteiros. A imagem utilizada, segundo a agência, foi abençoada por D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, em 2016 e enviada para “as comunidades mártires de Alepo”.

Em declarações citadas pela ACI Digital, os cristãos dão graças a Deus por poderem assinalar este dia: “Muitos de nós choramos porque, depois de seis anos, pudemos voltar a organizar a procissão pelas ruas de Alepo, sem medo dos mísseis. Com emoção, acolhemos Nossa Senhora de Fátima em Alepo, com a esperança de que a Virgem Maria rogará pela paz em toda a Síria”.

Desde o início da Guerra Civil na Síria que a cidade de Alepo estava dividida entre uma parte dominada pelo regime e outra dominada por rebeldes, compostos essencialmente por grupos jihadistas. Os cristãos, tal como as outras comunidades de Alepo, eram frequentemente alvo de ataques. Mas a cidade foi totalmente libertada no final de 2016, para alegria da maioria dos cristãos que lá vivem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.